Morre a primeira mulher a exercer profissão de médica em Santa Catarina NORBERTO Z/Divulgação

Wladyslawa Wolowska Mussi

Foto: NORBERTO Z / Divulgação

Primeira médica mulher a atuar em Santa Catarina, a doutora Wladyslawa Wolowska Mussi morreu no Hospital de Caridade, em Florianópolis, na manhã deste sábado, vítima de complicações em cirurgias, depois de ter fraturado os dois fêmur. Ela faria 102 anos no próximo mês.

O velório foi às 18h deste sábado na capela mortuária do Cemitério São Francisco de Assis, no Bairro Itacorubi, em Florianópolis. O enterro está marcado para as 11h de domingo.

A doutora quebrou os dois fêmur em uma queda em sua casa na Avenida Trompowsky, no Centro, na terça-feira. Dias depois, na sexta-feira, a médica tinha mostrado uma melhora em seu quadro de saúde, mas teve uma recaída e faleceu, coincidentemente no mesmo hospital que seu marido, o médico e político Antônio Dib Mussi, falecido em 1959. Wladyslawa será sepultada no mesmo túmulo.

As imagens da médica Wladyslawa Wolowska Mussi

A doutora nasceu na cidade de Murici, no Paraná. Filha de imigrante polonês e de uma brasileira, também descendente de família polonesa, Wladyslawa se formou em 1932, na Universidade de Medicina do Paraná (UFPR).

No ano seguinte, se casou com Dib Mussi e veio para Santa Catarina.Viveu em Laguna, cidade natal de seu companheiro, Orlean e depois seguiu para Florianópolis. A médica trabalhou no serviço de saúde pública e clinicou até depois dos 70 anos.

Wladyslawa deixa três filhos: a professora universitária Zuleika Wolowska Mussi Lenzi, o também professor universitário Carlos Wolowski Mussi e cardiologista Mario Wolowski Mussi. Também deixa saudades aos oito netos e três bisnetos.

Ginecologista e obstetra, fez o parto de conhecidos florianopolitanos, como o desembargador aposentado Norberto Ungaretti.
 Veja também
 
 Comente essa história