Os sete projetos e estudos preliminares de transporte em massa para resolver os congestionamentos diários nas pontes que ligam a Ilha e a parte continental de Florianópolis foram conhecidos nesta quarta-feira.

Há propostas para soluções marítimas, corredor de ônibus, metro de superfície, monotrilho e a associação destas opções (veja lista abaixo). Elas foram elaboradas por consórcios formados por empresas nacionais e estrangeiras. Todas passarão por avaliação e as consideradas viáveis serão levadas adiante.

Na próxima quarta-feira, o comitê gestor do governo vai divulgar quais propostas podem aprofundar os estudos. O secretário de Infraestrutura, Valdir Cobalchini, explicou que as obras serão parcerias público-privadas e os critérios de escolha incluem o menor gasto como contrapartida do governo e a menor tarifa para os usuários.

Ele contou que o projeto mais caro é de R$ 750 milhões, mas adiantou que a decisão será por algo com valores bem menores.

O cronograma prevê começar as obras até o final do ano para as modificações no trânsito estarem concluídas durante mandato do governador Raimundo Colombo. O grupo governamental responsável pelo projeto decidiu focar em transporte de massas por dois motivos: uma grande obra como túnel ou quarta ponte demandaria muito tempo; e apostar numa solução para carros atenuaria o problema apenas por um período.

A SCPar informou que o departamento jurídico e técnicos de engenharia vão analisar os estudos preliminares e fixarão 120 dias para o término dos projetos. Em março, o grupo volta a se reunir para definir que soluções serão adotadas.

O passo seguinte é abrir a licitação. Não existe garantia de que o autor da proposta vai levar a concorrência, mas se for outro grupo o vencedor pagará pelos estudos.

O Departamento de Infraestrutura informou que as pontes foram construídas para fluxo de 80 mil veículos por dia. Hoje, a circulação chega a 178 mil carros, caminhões, ônibus e motos.

A SCPar informou que o transporte em massa associados a recuperação da Ponte Hercílio Luz diminuiria este fluxo em até 45% - ou seja, 80 mil veículos por dia.

Os sete projetos

1 — Florianópolis Terra e Mar: solução marítima combinada com corredor de ônibus (BRT)

2— Floripa XXI: metro de superfície

3 — Floripa em Movimento: Monotrilho (trem com um trilho)

4 — CVA: Corredor de ônibus (BRT)

5 — Neogennium: Monotrilho

6 — Esse CCR: Marítimo associado a teleférico

7 — Catamarã do Brasil: Marítima

 Veja também
 
 Comente essa história