Operação garante a transferência de 40 membros do PGC para presídios federais Cristiano Estrela/Agencia RBS

Vans do Deap, com membros do PGC, foram escoltadas pela polícia até a Base Aérea de Florianópolis

Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Menos de 24 horas após o desembarque das tropas da Força Nacional de Segurança em solo catarinense, todos os 40 presos integrantes do Primeiro Grupo Catarinense (PGC) — apontados como mandantes dos atentados que assustam Santa Catarina desde 30 de janeiro — foram transferidos e levados para penitenciárias federais de outros Estados.

Veja a galeria de fotos das operações policiais na madrugada em SC

A megaoperação começou ainda na madrugada de quinta-feira, com a retirada de dois homens do presídio de Chapecó. Na sexta, outros nove saíram de penitenciárias de Joinville, Itajaí e Blumenau. O grupo foi levado para a Capital, onde aguardou a transferência oficial no presídio que fica no Bairro Trindade. Neste sábado, foi a vez das duas maiores operações de transferência marcarem a madrugada, finalizando as transferências de presos do PGC.

A primeira delas, em Criciúma, retirou sete bandidos. Em São Pedro de Alcântara, considerada a operação de maior risco, foi levado o maior número de homens: 22. Transportados em furgões da Deap, os presos foram escoltados pela rodovia por um forte aparato policial: cerca de 10 viaturas cada um. De lá foram direto para a Base Aérea da Capital. A chegada ao local ocorreu com 20 minutos de diferença, por volta de 6h15min. Poucos minutos antes, o comboio que partira da Penitenciária da Trindade já chegava ao local.

De lá, todo o grupo embarcou em uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB), que decolaria por volta das 9h. Antes disso, todos passaram por exames físicos e de corpo de delito feito por agentes do IGP. O procedimento é necessário para marcar a transferência dos presos do sistema estadual para o federal. No mesmo horário, outra aeronave da FAB decolou com tropas da Força Nacional de Segurança, para garantir a segurança da operação na chegada aos outros Estados. Do total de presos, 37 foram levados para o presídio de Mossoró (RN) e os outros três para Porto Velho (RO).

Entre os transferidos está o traficante Rodrigo de Oliveira (conhecido como Rodrigo da Pedra), que estava detido em Criciúma. A lista com os demais nomes só será divulgada a partir de segunda-feira, porque depende do aviso prévio às famílias e de autorização judicial. Todas as transferências, segundo o diretor do Deap, Leandro Lima, foram tranquilas e sem tentativas ou princípios de rebelião.

— Organizamos toda a operação para a madrugada pela facilidade de deslocamento nas rodovias, que têm pouco movimento. Não há qualquer relação com a rotina dos presídios ou algo assim. E mesmo assim não houve rebeliões — explicou.

Também no sábado, ao mesmo tempo em que eram organizadas as transferências, a Polícia Civil desencadeou uma grande operação no Estado para prender cem pessoas. Até as 9h, já havia detido 23.

Em Joinville e Blumenau, soldados da Força Nacional também entraram nos presídios, levando à suspensão das visitas.

Apesar da grande mobilização, quatro novos ataques, desde a noite de sexta, elevaram para 105 o número de atentados desde o início da nova onda de violência em Santa Catarina, no dia 30 de janeiro.

 Veja também
 
 Comente essa história