Creperia é inspirada nas referências visuais trazidas pelos donos que vieram da França Alessandro Gruetzmacher/Divulgação

A principal referência usada neste projeto é a guirlanda, CORDÃO COM LÂMPADAS usado em circos e teatros antigos

Foto: Alessandro Gruetzmacher / Divulgação

O ponto-chave deste trabalho era a criação de uma guirlanda de luzes. Conforme o arquiteto à frente do projeto, Eduardo Westphal, ela empresta o nome ao bar, que já tinha sido escolhido antes do escritório Westphal + Kosciuk Arquitetura começar a projetar. 
— Sabíamos que o teto do bar seria rebaixado virtualmente por uma série de cordões iluminados, distribuídos a partir de um aro metálico suspenso. A partir daí, definiu-se o espaço do salão com um elemento único, minimalista, em contraponto ao aspecto carregado das referências mais tradicionais trazidas pelos clientes  — um casal jovem. Ela tem 25 anos, é francesa e trabalha como figurinista. Ele tem 28 anos, é brasileiro e trabalhou oito anos na França na área de turismo e gastronomia, inclusive no Louvre.
A partir de então, buscou-se um equilíbrio visual no espaço de 70 metros quadrados e pé-direito com quase quatro metros. O estabelecimento na cidade de Florianópolis, que fica no andar térreo de uma galeria comercial foi dividido em salão, bar, espaço do DJ + camarim, cozinha e toaletes. 
— Para tanto, elaboramos um elemento vermelho em dry-wall que se dobra por todo o salão (ver croqui mais abaixo), definindo seus limites e transformando-se em mesas, balcão do DJ, balcão do bar, palco e nichos. Esse elemento é o que dá unidade ao espaço, melhora a acústica e faz referência às cortinas de veludo vermelho dos teatros — explica Eduardo.


Foto Alessandro Gruetzmacher, Divulgação

TUDO EM TORNO DA LUZ

A ideia inicial era a de se ter um aro central metálico do qual sairiam braços com algum sistema de tecnologia LED para fazer uma releitura de uma guirlanda tradicional. Diante de tal desafio, observou-se a necessidade de contratar um projeto de design de iluminação e luminotécnica para viabilizar estética, técnica e economicamente o elemento guirlanda. Com a contribuição da especialista, arquiteta Rejane Padaratz, optou-se por não usar as lâmpadas de LED na guirlanda.
— Principalmente devido ao seu custo ainda elevado, mas também porque criariam um problema de excesso de intensidade luminosa devido à grande quantidade de lâmpadas que se fariam necessárias para garantir o efeito — explica o arquiteto.
A alternativa foi adotar um sistema de fibras óticas, que permite com apenas uma fonte luminosa distribuir uniformemente uma luz de baixa intensidade ao longo de um plano virtual. Cada braço da guirlanda foi estruturado por um cabo metálico fixado no aro central e nas paredes, recebendo quantidades de fibras diferentes dependendo do seu comprimento. O sistema recebeu um filtro de correção de cor, para transformar a luz branca para o tom amarelado mais aconchegante.

 
Foto Alessandro Gruetzmacher, Divulgação

 
A guirlanda central foi formada por um sistema de fibra ótica, com grande APELO VISUAL E BAIXO CONSUMO DE ENERGIA e geração de calor
Foto Alessandro Gruetzmacher, Divulgação

REFERÊNCIAS VISUAIS

Neste projeto comercial, o escritório de arquitetura foi envolvido na reforma completa da parte interna da loja, ficando responsável pelo layout, pela decoração, iluminação, adequação de instalações e áreas técnicas às normas vigentes.
Segundo Eduardo Westphal, o trabalho se inspira numa série de referências visuais trazidas pelos clientes. A principal delas é a guirlanda, cordão com lâmpadas usado em circos e teatros antigos. As referências continham fotos de diversos lugares, a maioria na França, de onde vêm os clientes. Predominavam, além das luzes das guirlandas, palcos, cortinas em veludo, móveis antigos, decoração irreverente e despojada com ambiência intimista.
— Como não queríamos fazer um pastiche de um local antigo, tampouco uma ambientação literal, optamos por desconstruir algumas referências, reinterpretandoas. As cortinas em veludo vermelho se transformaram na dobra. A iluminação ficou mais sofisticada. A tradicional guirlanda com lâmpadas e fios comuns foi substituída por um sistema de fibra ótica, com grande apelo visual e baixo consumo de energia e geração de calor.
O projeto reinterpreta um vocabulário tradicional, segundo o arquiteto, empregando elementos minimalistas. Esses elementos dão suporte à memorabília vintage que os clientes trouxeram na bagagem.




 

O elemento vermelho criado em dry-wall que se DOBRA POR TODO SALÃOdá unidade ao espaço, melhora a acústica e faz referências às cortinas de veludo vermelho dos teatros

O PROFISSIONAL
Westphal + Kosciuk Arquitetura
Arquiteto Eduardo Westphal
(48) 3024-1935 e 8826-6268
www.wkarquitetura.com.br

 

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história