"Senti medo", diz prefeito de Florianópolis sobre percurso feito de bicicleta na cidade Mauro Vaz/Divulgação

Prefeito pedalou por cerca de uma hora

Foto: Mauro Vaz / Divulgação

Era noite de sexta-feira. Fim de expediente na prefeitura de Florianópolis. E, pela primeira vez, o trajeto até a sua casa, no bairro João Paulo, seria de bicicleta. O prefeito Cesar Souza Junior vestiu o capacete e - mesmo de calça jeans e sapato social - pedalou por cerca de uma hora.

Ele nem precisou ouvir as reclamações dos voluntários do projeto Bike Anjo, que o acompanharam durante todo o percurso. Sentiu na pele a sensação de disputar um filete de asfalto com os veículos motorizados.

Passada a experiência, o prefeito fala em ações emergenciais e já agendou reunião para tratar sobre o assunto na próxima semana.

Diário Catarinense — Como o senhor se sentiu como ciclista?

Cesar Souza Junior —
Foi uma experiência muito positiva. Durante o percurso nós fomos parando e apontando os pontos críticos. Eu senti na própria pele o que os ciclistas sentem todos os dias. E em alguns momentos eu até senti medo, principalmente naquelas horas em que o ônibus passava ao lado. Percebi que faltam coisas básicas.

DC — O que saltou aos seus olhos?

Souza Junior —
A falta de sinalizadas, principalmente. Pude perceber que obras simples e pequenas podem facilitar muito a vida do ciclista. Na próxima semana nós vamos nos reunir com os voluntário do Bike Anjo e com a Secretaria de Obras para tratar desses reparos que precisam ser feitos. Vamos mapear os pontos críticos e nos planejar para executar uma série de obras até o fim do ano.

DC — O que mudou depois da noite de sexta-feira?

Souza Junior —
Florianópolis foi pensada toda em função dos automóveis. A partir de agora será diferente, toda a obra realizada será pensada também para ciclistas e pedestres. Só poderemos incentivar que as pessoas usem a bicicleta, que troquem seus carros por bicicletas, se elas se sentirem seguras, o que hoje não acontece.
DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história