Cesare Battisti cancela participação em palestra na UFSC Evaristo Sá/AFP

Cesare Battisti foi solto após decisão que cancelou sua extradição para a Itália

Foto: Evaristo Sá / AFP

A polêmica participação do Cesare Battisti em palestra na Universidade Federal de Santa Catarina foi cancelada. Terrorista para alguns e militante histórico para outros, o italiano exilado no Brasil participaria do evento Quem tem o direito ao dizer, organizado pelo Programa de Educação Tutorial (PET) do curso de Letras e que ocorreria nos dias 6, 7 e 8 de novembro.

“Caro João, tentei ligar varias vezes ontem a noite. Sinto muito ter que comunicar-te que com pedido formal de ultima hora o Governo me proíbe de participar ao nosso encontro. Peco desculpa a todos mas não depende da minha vontade. Um abraco, Cesare” teria sido a mensagem recebida pelo estudante João Gabriel Almeida, que fazia as tratativas para a vinda de Battisti.

João faz parte do PET de Letras, programa acadêmico que organiza o evento que teria a palestra. Bem cedo nesta terça-feira, “são 5:40 da manhã do dia 5 de novembro de 2013. Acabo de ler a mensagem de Cesare Battisti no meu celular” sobre o cancelamento da sua participação no evento, disse o estudante em texto divulgado em seu perfil no Facebook.

— Oficialmente, ainda não recebemos a informação. Mas provavelmente sim, está cancelada a palestra — disse o professor Fábio Lopes, tutor do PET de Letras.

O professor disse que, por Cesare Battisti ter uma circulação muito restrita dentro do país, as manifestações negativas podem ter pesado para o cancelamento, em especial por um protesto estar sendo organizado para impedir que o italiano pudesse participar. Ele lamentou a intolerência exibida por aqueles contra a vinda do italiano.

Até o momento não há mais informações sobre o citado pedido do governo federal que impediu a participação.

A redação do Diário Catarinense entrou em contato com a secretaria de comunição social da presidência da República, que indicou o Ministério da Justiça como possível motivador, mas sem confirmar a origem de algum pedido. A assessoria do ministério foi contatada, disse que buscaria informações sobre o assunto e não respondeu até o momento de publicação desta matéria.

Apesar do cancelamento de Battisti, o membro da organização do evento, João Gabriel de Almeida, garantiu que ele irá ocorrer. No lugar do italiano, palestrará o seu biógrafo, Carlos Lungarzo. Além daqueles que já estavam confirmados.

Mano Teko, o atual presidente da Apafunk (Associação de Profissionais e Amigos do Funk), falará sobre a relação da música com a sociedade e a exclusão das favelas. E um representante do Movimento Sem Terra falará sobre o sistema educacional desenvolvido em paralelo ao governamental pelo MST.

:: Repercussão

No depoimento que publicou na rede social, o estudante de Letras fez um desabafo em relação às pressões sofridas após a confirmação de que Battisti palestraria no evento sobre seu trabalho como escritor no exílio.

— Desde então, com ênfase nas últimas semanas, fomos atacados pelos setores mais reacionários da Universidade Federal de Santa Catarina e da grande mídia, acusados de ladrões do dinheiro público — escreveu João.

A questão repercutiu mais em sites de notícias italianos do que no Brasil. Nas matérias, Battisti é tratado como o “terrorista condenado” que receberá 500 euros (R$ 1500) para palestrar no evento. Mas as matérias não esclarecem se esse seria um valor recebido pela palestra ou se seria o gasto com passagens e hospedagens em Florianópolis.

À coluna do jornalista Cacau Menezes, o professor que é tutor do PET de Letras — e também diretor da Editora da UFSC — disse que seriam utilizados R$ 900 em recursos da UFSC para a passagem São Paulo - Florianópolis, a de volta e as hospedagens.

Dentro da universidade, a palestra também teve repercussões negativas entre parte dos estudantes. Os gastos seriam pagos pela Pró-Reitoria de Assunto Estudantes, como é praxe para eventos do tipo. Mas ouve contestações sobre se é válido gastar recursos públicos com uma personagem polêmica como Battisti

— Já há muitos criminosos no Brasil que se aproveitam do nosso dinheiro. E isso é revoltante. Mas esta foi uma situação muito próxima do cotidiano estudantil, onde se sabe que há problemas de verbas para pesquisa e extensão — disse Leonardo Lacerda, que organizava uma manifestação contra a palestra de Cesare Battisti.

O estudante de engenharia mecânica afirmou também que não seria contra a vinda de Battisti, por exemplo, se os organizadores pagassem do próprio bolso as passagens e a hospedagem dele em Florianópolis.

:: Quem é Battisti

Ex-ativista político na Itália, Cesare Battisti foi condenado em seu país à prisão perpétua, em 1988, por quatro homicídios ocorridos no final da década de 70. No entanto, ele nega a autoria dos crimes. Nascido em 1954, o italiano era membro dos Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) na época em que os crimes ocorreram.

Preso no Brasil, sua extradição foi negada pelo governo brasileiro, em 2011, que concedeu a ele o status de refugiado político apesar de uma decisão do Supremo Tribunal Federal no sentido de que ele fosse extraditado. A decisão foi tomada no última dia do governo de Luís Inácio Lula da Silva.

DIÁRIO CATARINENSE
 DC Recomenda
 
 Comente essa história