Falta de água e luz expõem fragilidade na estrutura das praias do Litoral Norte Leo Munhoz/Agencia RBS

Moradores de São Francisco do Sul estão usando água da chuva

Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

O problema com o abastecimento de água aliado às constantes quedas de energia entre o Natal e o Réveillon deste verão expõem a fragilidade dos balneários da região Norte de Santa Catarina em receber a grande demanda de turistas.

Nas praias de São Francisco do Sul, onde a população de pouco mais de 40 mil habitantes passa para mais de 150 mil na virada de ano, um sistema de rodízio no abastecimento de água foi adotado para tentar aliviar o caos. Ainda assim, moradores afirmam que a solução paliativa não tem surtido efeito.

O analista de desenvolvimento José Alexandre Bento, de 31 anos, que mora em Joinville e resolveu passar as férias com a família na praia de Itaguaçu, mal podia esperar os transtornos que o aguardavam. Há dois dias não chega uma gota de água nas torneiras.

Os seis integrantes da família contam com o auxílio de um vizinho que tem poço artesiano em casa para conseguir tomar banho, lavar roupa e cozinhar. A água mineral está quase em falta no mercado.

O casal de comerciantes José e Sueli Rosa, que mora em Itaguaçu e está acostumado com a falta de água nessa época do ano, armazenou quantidade suficiente para passar as festas de fim de ano e receber visitas. As chuvas dos dois últimos dias também ajudaram a manter a reserva dos moradores prevenidos.

— Sabemos como funciona aqui no fim de ano, então nos prevenimos — comentou.

O presidente do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) de São Francisco do Sul, Fernando Ledoux, contradiz a versão dos moradores e afirma que o rodízio tem funcionado com sucesso. Por meio da assessoria de imprensa, ele informou que a resposta dos moradores tem sido positiva.

Outras praias

Em Itapoá a situação também é crítica. O balneário que recebe muitos turistas de Santa Catarina e do Paraná, está com fragilidade no abastecimento desde a semana passada porque o sistema não tem capacidade de atender à tantas pessoas.

Caminhões-pipa estão sendo utilizados para amenizar o problema. O presidente da Itapoá Saneamento, Mário Savi, espera que o abastecimento normalize a partir de segunda-feira, quando boa parte dos turistas vão embora. Porém, a solução, segundo ele, deve vir nos próximos dois anos quando uma nova estação de tratamento será construída.

Balneário Barra do Sul também teve problemas com o abastecimento nos últimos dias por causa de um problema pontual, segundo a Casan. Uma bomba do sistema quebrou no último sábado e acabou comprometendo, inclusive, o abastecimento em Araquari.

Carine Susi dos Santos, de 34 anos, que mora no Centro de Araquari está há sete dias sem água nas torneiras.

— Estamos comprando água potável e aproveitando a água da chuva — contou. Segundo o diretor da empresa, Adelor Vieira, o caso já está sendo solucionado.

Além da falta de água, moradores e turistas ainda têm de conviver com as constantes quedas de energia. Quedas de até quatro horas foram registradas nas praias de Itaguaçu, Enseada, Ervino e Barra Velha. Segundo a Celesc, não há muito o que fazer, pois a sobrecarga da rede é a causadora do problema.

— Em São Francisco, por exemplo, a população passou para 200 mil pessoas na virada, então não há sistema que aguente. É normal que haja sobrecarga — justificou o chefe de divisão técnica regional da Celesc, Júlio Cezar Pires da Luz.

Cidades da região em alerta

São Francisco do Sul

Desde o dia 31 de dezembro,o Samae adotou o sistema de setores que consiste no abastecimento da região dos balneários por turnos. Porém,moradores afirmam que o esquema não tem funcionado. O presidente da empresa, Fernando Ledoux, justificou, por meio da assessoria de imprensa, que quando o sistema é aberto para uma localidade a água pode demorar até alcançar todas as casas.

Diferente do que alguns moradores disseram ao jornal “A Notícia”, Fernando afirma que as equipes do Samae estão recebendo um retorno positivo da comunidade. O presidente afirmou  que já foi inaugurada a nova adutora e o novo reservatório está com obras em andamento.

Balneário Barra do Sul

Uma bomba que quebrou no último sábado e deixou praticamente toda a cidade sem abastecimento foi consertada ainda na madrugada de domingo para a segunda-feira. Segundo o Secretário de Turismo da cidade, Alessandro Remeniuki, o abastecimento já foi normalizado.

Itapoá

De acordo com os moradores, o município está com problemas no abastecimento de água desde a semana passada. O diretor da Itapoá Saneamento, Mário Savi, acredita que o abastecimento deve melhorar a partir desta quinta-feira, pois muitos turistas estão retornando para casa. Segundo Mário, a empresa assumiu o sistema de água em Itapoá em outubro do ano passado e tem um prazo de dois anos para construir uma nova estação de tratamento.

Na tentativa de minimizar o problema, a empresa providenciou duas estações de tratamento compactas – que aumenta em 20% o volume de água tratada – e cinco caminhões-pipa.

Barra Velha

Caminhões-pipa estão disponíveis para auxiliar no abastecimento de água potável em locais mais altos e mais distantes do reservatório da Casan caso seja necessário. A Prefeitura afirma que não houve falta de água no município até esta quarta-feira.

Araquari

Moradores do Centro e de umloteamento que fica no bairro Itinga, no limite entre Joinville e Araquari estão com problemas no abastecimento de água há cerca de uma semana. De acordo com o diretor da Casan, Adelor Vieira, o abastecimento ficou comprometido em virtude da bomba que quebrou em Barra do Sul no último sábado e por causa da estiagem nos últimos dias. Com o aumento no consumo no litoral, a região foi afetada. O diretor afirmou na tarde desta quarta-feira que a empresa já providenciou caminhões-pipa para atender moradores. Com as chuvas dos dois últimos dias a previsão é que o abastecimento volte à normalidade.

- Dos nove poços que temos em Araquari, apenas cinco estavam funcionando normalmente por causa da estiagem. Como choveu com certa regularidade, a partir de amanhã (quinta-feira) o abastecimento já deve estar regularizado - afirmou.

De acordo com o presidente, a solução para o problema é a construção da nova adutora do Rio Itapocu. Segundo Adelor, o projeto que custará cerca de R$ 100 milhões, foi encaminhado ao Ministério das Cidades.

Falta de luz

Moradores e turistas das praias do Litoral Norte do Estado estão enfrentando problemas com quedas de energia desde o dia 31 de dezembro. A falta de energia tem durado de três a quatro horas nas praias de Itaguaçu, Enseada, Ervino e Barra Velha. De acordo com o chefe de divisão técnica regional da Celesc, Júlio Cezar Pires da Luz, o aumento da população sobrecarrega o sistema. Na praia do Ervino, o engenheiro afirma que o problema é ainda pior por causa do roubo de energia que ocorre com as ligações clandestinas.

A NOTÍCIA
 Veja também
 
 Comente essa história