A morte do estudante de Jornalismo Alex Sobral, de 26 anos, natural de São Paulo, comoveu a comunidade da Universidade Federal de Santa Catarina nesta sexta-feira. Uma nota de pesar foi emitida pelo Núcleo de Identidades de Gêneros e Subjetividades (NGIS) da instituição, departamento voltado às discussões envolvendo sexualidade. O aluno teria se suicidado na quinta-feira, segundo confirmação do Instituto Médico Legal. O corpo foi encontrada à noite no bosque do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, localizado próximo ao Planetário, em Florianópolis.

A divulgação da nota de pesar pelo núcleo propõe uma reflexão sobre a violência contra a comunidade LGBT e a construção de estratégias de combate à homofobia, estímulo à denúncia, apoio, solidariedade e justiça. Segundo o texto, o jovem "quis sumir" do contexto violento em que vivia e não teve tempo de devolver à sociedade brasileira os conhecimentos obtidos em sua formação de excelência na UFSC.

O material ainda cita o recente caso do jovem Kaique Augusto Batista dos Santos, de 17 anos, em São Paulo, que tem mobilizado a comunidade LGBT. O adolescente foi encontrado desfigurado pela Polícia Militar daquele Estado, no sábado, próximo a um viaduto na região da Bela Vista, na Avenida 9 de Julho. A ocorrência foi registrada inicialmente como suicídio, mas sinais de tortura identificados no corpo do jovem fizeram a família contestar a versão oficial.

>>> Confira abaixo a íntegra da nota do Núcleo de Identidades de Gêneros e Subjetividades da UFSC postada em página do Facebook nesta sexta:

O Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS) da Universidade Federal de Santa Catarina vem a público afirmar o seu pesar pela morte do jovem gay Alex Sobral, ex-estudante de nossa comunidade universitária. A polícia acredita tratar-se de suicídio. Alex, que cursava Jornalismo, foi encontrado morto no bosque do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH).

Muitas vezes elaboramos o suicídio como resultado de enorme sofrimento psíquico do indivíduo e depositamos sobre o sujeito toda a responsabilidade do ato que cometeu. Entretanto, já no século XIX o fundador da escola francesa de sociologia, Émile Durkheim nos ensinou que toda a sociedade, com seus valores e crenças, é responsável pelas mortes voluntárias que produz. Pensando o tempo presente, a comunidade LGBT tem sido fortemente impactada por mortes voluntárias e involuntárias.

São alarmantes os índices de suicídio dentre as populações jovens de lésbicas, gays e travestis. Segundo dados da Universidade Federal do Alagoas, as pessoas LGBT são mais propensas a “quererem sumir”, índice que chega a 78% das pessoas entrevistadas. Além disso, segundo a Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, jovens LGBT têm até cinco vezes mais risco de cometerem suicídio que pessoas heterossexuais.

No que tange as mortes involuntárias, segundo dados dos movimentos sociais, apenas em 2014 no Brasil foram assassinadas 18 pessoas LGBT, demonstrando o crescimento dos índices de violência letal. De acordo com dados do "Relatório sobre Violência Homofóbica no Brasil: ano de 2012", publicado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, as notícias de mídia divulgadas nos anos 2011 e 2012 mostraram que "as violações que resultam em morte detêm o maior percentual, somando 81,36%.

Os homicídios são os mais noticiados em 2012 entre as violências físicas, com 74,56%, seguidos por lesões corporais (70,76%), latrocínios (6,82%) e tentativas de homicídio (7,87% ) . Em 2011, os homicídios totalizaram 78,6%, seguidos por lesões corporais (13,7%), tentativas de homicídios (6,5%), latrocínios (0,9%) e cárcere privado (0,3%). Esse quadro de violências homo/lesbo/transfóbicas, quando não resultam em mortes de LGBT, podem produzir deficiências, contribuindo para aumentar o contingente de novas pessoas com deficiência no Brasil.

O recente assassinato do jovem Kaique em São Paulo tem mobilizado a comunidade LGBT. Kaique foi encontrado morto após uma noite de balada com todos os dentes arrancados. Segundo o deputado federal Jean Willys “[em 2012,] 338 pessoas foram assassinadas por serem gays, lésbicas, travestis ou transexuais no Brasil, 27% mais que no ano anterior, que registrou 266 homicídios homo/lesbo/transfóbicos, 317% mais que em 2005”.

Nesse quadro de extrema hostilidade contra pessoas LGBT que transversaliza classe, gênero, deficiência, raça, etnia, o NIGS/UFSC vem a público reafirmar seu compromisso na construção de estratégias de combate à homofobia, estímulo à denúncia, apoio, solidariedade e justiça.

À família e aos amigos do jovem Alex Sobral enviamos nossas sinceras condolências, compartilhando a dor da perda de mais uma promessa criativa da comunidade LGBT que “quis sumir” do contexto violento em que vivia. Sua perda, para além da dor da família e amigos, é também uma perda social pois foi um jovem que estudou em nossa universidade pública e não teve tempo de devolver à sociedade brasileira os conhecimentos obtidos em sua formação de excelência na UFSC. Trata-se portanto de uma perda que nos afeta a todos e todas enquanto comunidade universitária.
Diário Catarinense
 Veja também
 
 Comente essa história