Site compartilha histórias de superação e ajuda famílias com bebês prematuros reprodução/reprodução

Nascem 15 milhões de bebês prematuros por ano no mundo todo, o que equivale a 10% do total

Foto: reprodução / reprodução

Acompanhar informações sobre a saúde de um bebê prematuro e trocar experiências com os pais é a proposta do prematuridade.com, site para dar apoio às famílias que sofrem com esse problema.

— O nascimento de bebês prematuros cresce muito a cada ano. A maioria das famílias são pegas de surpresa e precisam de informações de cuidados, dicas, histórias reais sobre os pequenos que passaram por tanta coisa e hoje estão bem—explica a idealizadora do projeto, Denise Centeno.

Após trabalhar na UTI Neo Natal do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, por 5 anos, Denise identificou a necessidade de uma fonte informação confiável sobre a prematuridade. O projeto começou em abril de 2011 com um blog. Hoje, a startup acelerada pela Estarte.Me é o portal de referência sobre o assunto no Brasil.

Mundialmente, nascem 15 milhões de bebês prematuros por ano, 10% dos nascimentos, em média. No Brasil, esse percentual passou de 7,2% em 2010 para 11,7% em 2013.

Ketty Regina Oliveira de Souza, mãe de um bebê que nasceu com 26 semanas e pesando 560 gramas, acompanha o site com freqüência.

— É uma inciativa maravilhosa. Acho muito legal as histórias serem catalogadas por idade gestacional. Facilita a busca das mães por histórias semelhantes.— comenta.

O portal conta com mais de 800 posts com histórias das famílias, 50 mil visitantes mensais e uma comunidade de mais de 16 mil pessoas na página do Facebook. Também oferece a primeira loja virtual totalmente dedicada a bebês prematuros, com roupas e outros produtos específicos.

Para unir ainda mais as famílias de bebês prematuros, em março deste ano foi lançado o Clube Prematuridade.com, o primeiro grupo virtual dedicado a esse segmento.

— É só o início de um projeto que vai facilitar ainda mais a vida das famílias dos prematuros, levando conteúdos e benefícios que ajudem a tornar a jornada pela prematuridade menos pesada— conta Denise.

 Veja também
 
 Comente essa história