O presidente exercício da Assembleia Legislativa, deputado Joares Ponticelli (PP), oficializou nesta terça-feira a criação da comissão parlamentar de inquérito que ficou conhecida como CPI da Casa Rosa. A comissão vai investigar supostas irregularidades na compra de um terreno para a construção da sede do Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC), no centro de Florianópolis.


>> Leia mais
::: "A CPI é um instrumento político da Assembleia", diz Lio Marcos Marin
::: Jailson Lima rebate críticas do MP e defende criação de CPI da Casa Rosa


A oficialização ocorreu depois da renúncia do deputado Jailson Lima (PT) à 4ª secretaria da mesa diretora. O parlamentar deixou o cargo para integrar a CPI já que, de acordo regimento interno da Assembleia, os membros da mesa não podem participar de comissões de inquérito.

O deputado Volnei Morastoni (PT), com mais idade e com maior número de mandatos entre os parlamentares nomeados para a CPI, convocará a primeira reunião do grupo para eleger presidente e o relator. A data ainda não foi definida.

Além de Morastoni e Jailson, integram a CPI os deputados Mauro de Nadal (PMDB), Edison Andrino (PMDB) e Sargento Amauri Soares (PSOL). O pedido para a criação da comissão foi protocolado por Jailson Lima no dia 2 de abril, com a adesão de 18 deputados.

O Ministério Público afirma que não houve nenhuma irregularidade na compra do terreno e garante que a transação foi feita amparada na Lei das Licitações.

Com informações da Assembleia Legislativa

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história