SC deve ter recorde de candidatos a governador nas eleições de outubro Montagem/Agência RBS,Agência Câmara  e arquivos pessoais

Reconhece, na foto, o rosto de sete dos dez possíveis candidatos? Comente

Foto: Montagem / Agência RBS,Agência Câmara e arquivos pessoais

Este ano Santa Catarina deve bater seu recorde em número da candidatos ao governo do Estado desde a volta das eleições diretas em 1982. Faltando cinco dias para o prazo final das convenções partidárias, três nomes já estão confirmados na disputa e outros sete estão próximos de serem anunciados.

Leia também:

::: Partidos negociam alianças com siglas de menor porte de olho na TV

Os principais nomes da disputa começam a ser oficializados amanhã, quando o PSDB realiza sua convenção e homologa a candidatura do senador Paulo Bauer. Na segunda-feira, último dia para realização das convenções, será a vez do PSD confirmar o governador Raimundo Colombo como candidato à reeleição e o PT definir o ex-deputado federal Cláudio Vignatti na disputa.

Mas é entre os pequenos partidos que proliferam os nomes que devem invadir o horário eleitoral. No dia 16, discretamente, o PPL realizou a convenção que definiu a advogado Janaína Deitos como candidata ao governo. Há dois anos, ela disputou a prefeitura de Florianópolis, recebendo cerca de 2 mil votos. Segundo o presidente estadual do partido, Fabiano Deitos, um dos principais motivos da candidatura é dar palanque ao presidenciável Eduardo Campos (PSB), apoiado nacionalmente pelo partido.

— Ele não tem nenhum candidato a governador que o apoie, então seremos nós — diz o dirigente.

Outro nanico ligado a Campos será Elpídio Neves, do PRP. Ele já disputou o governo em 2006, ainda pelo PTC, quando recebeu 2,5 mil votos.

— Queremos  ser uma opção. Fechamos com Eduardo Campos e vamos fazer inserções com ele no horário eleitoral — afirma Edson Melo, presidente estadual do PRP.

Nos partidos de esquerda, já estão definidas as candidaturas de Afrânio Boppré (PSOL) e Gilmar Salgado (PSTU) — outro veterano de eleições, tendo disputado em 2002 e 2010 (3,2 mil votos). A eles deve se juntar ainda um nome do PCB, que deve ser definido até o final de semana. O partido chegou a ser convidado para alianças com PSOL e PSTU, mas recusou.

— Entendemos que era importante mostrar a cara da organização — explica a presidente estadual da sigla, Caroline Bellaguarda.

Os outros dois partidos com pré-candidatos ao governo são o PHS e o PTdoB, que ensaiam uma aliança. O nome do PHS é o empresário Carlos Kaminski, que ganhou visibilidade no início do ano ao estrelar a propaganda eleitoral do partido com fortes críticas ao governo Colombo. O PTdoB tem Adauto Garcia como pré-candidato, mas admite compor com Kaminski.

— O Estado precisa de algo novo, de uma proposta diferente — diz Kaminski, que também é o presidente estadual do PHS.

A reportagem não conseguiu contato com o presidente do PMN, Alan Alves Moreira, para confirmar se a sigla pretende coligar ou integrar alguma aliança. Em 2010, o partido surpreendeu ao lançar Carmelito Smieguel ao governo — alcançando 2,9 mil votos. Naquele ano, sete candidatos disputaram o governo do Estado. O recorde desde a redemocratização foi alcançado na disputa de 2006, com oito postulantes.

::: Quem deve estar no jogo

Confirmados em convenção:
Afrânio Boppré (PSOL)*
Gilmar Salgado (PSTU)
Janaína Deitos (PPL)

Ainda não confirmados:
Adauto Garcia (PTdoB)*
Carlos Kaminski (PHS)
Claudio Vignatti (PT)*
Elpídio Neves (PRP)*
Paulo Bauer (PSDB)*
Raimundo Colombo (PSD)*
Candidato/a do PCB

* Partidos que têm representantes na Câmara dos Deputados.

DIÁRIO CATARINENSE - Diário Catarinense
 Veja também
 
 Comente essa história