OMS aprova o uso de tratamentos experimentais contra o ebola AFP PHOTO/SPANISH DEFENSE MINISTRY

Padre espanhol, primeiro paciente infectado a voltar à Europa, morreu nesta terça-feira

Foto: AFP PHOTO / SPANISH DEFENSE MINISTRY

O Comitê de Ética da Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, em reunião na segunda-feira, o uso de tratamentos não homologados para lutar contra a febre hemorrágica do ebola, segundo um comunicado divulgado nesta terça-feira.

ZH explica: o que é o vírus ebola
Leia todas as notícias de Zero Hora

– Diante das circunstâncias da epidemia e sob certas condições, o comitê concluiu que é ético oferecer tratamentos cuja eficácia ainda não foi demonstrada, assim como os efeitos colaterais, como potencial tratamento ou de caráter preventivo – afirma a nota da OMS.

Até o momento não existe nenhum tratamento de cura ou vacina contra o ebola, epidemia que levou a OMS a decretar uma emergência de saúde pública mundial. Mas o uso do medicamento experimental ZMapp em dois americanos e um padre espanhol – que faleceu nesta terça-feira em Madri – infectados com o vírus quando trabalhavam na África provocou um intenso debate ético.

O medicamento, do qual existe pouca quantidade, parece apresentar resultados promissores nos dois americanos, mas o religioso espanhol morreu nesta terça-feira em um hospital de Madri.

A empresa americana Mapp Biopharmaceutical, que produz o medicamento, informou na segunda-feira que enviou o estoque para o oeste da África. Médicos de todo o mundo participaram dos debates da OMS na segunda-feira em Genebra.

O comitê condicionou o uso dos tratamentos a uma "transparência absoluta sobre os cuidados, a um consentimento informado, à liberdade de escolha, à confidencialidade, ao respeito das pessoas e a preservação da dignidade e a implicação das comunidades".

Também estabeleceu "a obrigação moral de obter e compartilhar as informações sobre segurança e eficácia das intervenções", que devem ser objeto de avaliação constante.

O número de mortes provocadas pelo vírus ebola superou a barreira de mil, com 1.013 óbitos e 1.848 casos registrados, segundo o balanço mais recente da OMS, que não conta com a morte do missionário espanhol.

*AFP

 Veja também
 
 Comente essa história