Figueira da praça XV tem revitalização concluída, em Florianópolis Jorge Pires/Divulgação

Solenidade marca entrega da árvore revitalizada, mais leve e com escoras metálicas

Foto: Jorge Pires / Divulgação

Em solenidade na manhã desta segunda-feira, a figueira da praça XV de Novembro foi entregue revitalizada à comunidade pela Prefeitura Municipal de Florianópolis, através da Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram).

Foram cinco meses de trabalhos, em uma parceria entre a Prefeitura e o grupo que adotou a praça e investiu cerca de 50 mil reais no processo de restauro. A velha figueira teve 2500 kg de plantas menores removidas, que se criaram nos ramos, sugando a seiva da centenária.

Partes comprometidas foram retiradas, como ramos de mais de 20 m que corriam risco de queda. Foram usados produtos para desinfecção e uma cobertura com poliuretano e argamassa. Escoras metálicas agora ajudam na sustentação das partes que aguentam mais peso.

O trabalho, iniciado em maio deste ano, traz, segundo o biólogo Luiz Pazzini, da Floram, uma perspectiva de sobrevida de mais 150 anos à árvore símbolo de Florianópolis, que já conta 143 anos.

Na solenidade foram distribuídas mais de cem mudas de ipê amarelo, pitanga e acerola para os presentes.

Saiba mais sobre a figueira

* Figueira mata-pau, figueira do mato, figueira folha miúda e figueira brava são nomes populares para a Ficus organenses (mic.), ou seja, a figueira da Praça XV.

* Estima-se que tenha nascido em 1871, em um pequeno jardim em frente à Igreja Matriz. Em 1891, com 20 anos, a figueira foi retirada do jardim e replantada no local em que está hoje e cresceu vigorosa desde então.

* O biólogo Luiz Pazini Figueiredo, da Floram, garante que a árvore é saudável, mas compara a situação com uma pessoa saudável com gripe. Se a figueira ficasse do jeito que está, correria risco no futuro.

* Conforme ele, a figueira centenária pode se tornar milenar facilmente, pela característica de resistência que apresenta. Além disso, é uma espécie que se prolifera rapidamente.

 Veja também
 
 Comente essa história