Gaeco faz operação no Oeste de SC e no RS para investigar suspeita de fraude e corrupção em concurso público  Sirli Freitas/Agencia RBS

Em Xanxerê, na sede da empresa, foram recolhidos cadernos de prova, gabaritos e agendas

Foto: Sirli Freitas / Agencia RBS

O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) realizou na manhã desta sexta-feira um operação de busca e apreensão em cinco cidades. O objetivo foi recolher material para investigar fraude e corrupção em concurso público realizado pela Prefeitura Municipal de Coronel Freitas, no Oeste de SC.

O Gaeco é uma força-tarefa formada pelo Ministério Público de Santa Catarina, as Polícias Civil e Militar, Secretaria de Estado da Fazenda e Polícia Rodoviária Federal.

Segundo informações do Ministério Público, agentes cumpriram mandados de busca e apreensão nas cidades de Coronel Freitas, Xanxerê, Maravilha e Arabutã, todas em Santa Catarina, além de Palmeira das Missões, no Rio Grande do Sul.

A investigação iniciou a partir de denúncias feitas na Promotoria de Justiça de Coronel Freitas, por candidatos que participaram do concurso, realizado no dia 27 de abril. Há suspeita de vazamento do gabarito beneficiando alguns candidatos. A seleção era para 19 cargos, como auxiliar administrativo, agente de sáude, professor, enfermeiro e até médico. As provas foram realizadas e até o resultado foi divulgado no dia 14 de maio mas, por determinação da justiça de Coronel Freitas, os efeitos dele, inclusive a nomeação, foram suspensos.

Houve busca de documentos na Prefeitura de Coronel Freitas. Em Xanxerê, as buscas foram na sede da Exito Projetos, Assessoria e Consultoria Ltda. Lá foram recolhidos cadernos de provas, gabaritos e agendas.

Já nas outras cidades foram realizadas buscas em residências e em sedes de outras empresas, que teriam participado da licitação.

Na sede da empresa não foi encontrado ninguém para falar sobre a ação. No site da empresa havia apenas um email, pelo qual foi tentado contado, sem resposta até o final da tarde desta sexta-feira. Na prefeitura de Coronel Freitas quem falou foi a secretária de Administração e Fianças, Clarice Zucco. Ela apenas se limitou a dizer que ninguém iria falar até tomar conhecimento da ação. -Por enquanto não temos nada a declarar, estamos surpresos e tentando entender o que está acontecendo- disse.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história