Divulgados nomes de 11 empresas investigadas por adulteração de leite Sirli Freitas/Agencia RBS

16 pessoas estão presas e 21 mandados de busca e apreensão foram cumpridos esta semana

Foto: Sirli Freitas / Agencia RBS

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) divulgou nesta quarta-feira os nomes das 11 empresas que estão sendo investigadas por suspeita de adulteração de leite em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. Segundo o MP, já é possível identificar fortes indícios da participação de empresas na fraude, seja na venda dos produtos químicos, transporte ou na adulteração direta do leite nas propriedades rurais e distribuidoras investigadas.

Na operação "Leite Adulterado III", são investigadas dez empresas no Oeste catarinense e uma no RS. Foram presas preventivamente 16 pessoas e cumpridos 21 mandados de busca e apreensão em unidades industriais, residências e propriedades rurais.

As empresas suspeitas são Cordilat/SC Foods, Master Milk, Laticínios Oeste Lat, Agro Estrela, Cooperativa Agropecuária e de leite Milkfor, Laticínios Santa Terezinha, Laticinios São Bernardino e Cooperativa Coopleforsul. Também há transportadoras suspeitas como Transportes Irmãos Gris, GD Transportes e Transportes Douglas.

Leia mais
:: Promotor orienta consumidor a trocar leite sob suspeita ou ir ao Procon
:: Leite era adulterado com soda cáustica, citrato de sódio e água, afirma Gaeco

De acordo com a assessoria de comunicação do MPSC, como estão envolvidas também transportadoras, ainda não se sabe todas as marcas e lotes que podem ter sido afetados pelas adulterações e nem todos os Estados que podem ter recebido o produto. Esse rastreamento está sendo realizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para que possa ser feito recall.

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) está ouvindo testemunhas e os suspeitos presos na segunda-feira e analisando os documentos e materiais coletados. Essa etapa deverá ser concluída em dez dias.

— Não descartamos novas prisões. Até o momento, além da adulteração do leite, já identificamos indícios de fraude tributária, documentação falsa e até uso de "laranjas" por parte de empresas envolvidas. O foco da investigação são fraudes praticadas por transportadores, laticínios e queijarias — explica o coordenador do Gaeco em Chapecó, Promotor de Justiça Fabiano Baldissarelli.

O crime de adulteração do leite vem sendo investigado há seis meses pelo Gaeco, uma força-tarefa coordenada pelo MPSC e integrada por Promotores de Justiça, Policiais Civis, Policiais Militares e Auditores da Secretaria da Fazenda Estadual. O Gaeco também contou com o apoio de fiscais agropecuários do Mapa.

Contrapontos:

Empresa Cordilat / SC Foods - Cordilheira Alta/SC - o DC foi informado de que não havia um responsável para se manifestar nesta quarta-feira
Empresa Master Milk - Iraí/RS - telefone de contato divulgado é inexistente
Empresa Laticínios Oeste Lat - Coronel Freitas/SC - telefone de contato divulgado é inexistente
Empresa Agro Estrela - Coronel Freitas/SC - não foi possível contato
Empresa Transportes Irmãos Gris - Formosa do Sul/SC - não foi possível contato
Empresa Cooperativa Agropecuária e de leite Milkfor - Formosa do Sul/SC - não foi possível contato
Empresa GD Transportes - Formosa do Sul/SC - não foi possível contato
Empresa Transportes Douglas - Formosa do Sul/SC - não foi possível contato
Empresa Laticínios Santa Terezinha - Santa Terezinha do Progresso/SC - ligações não foram atendidas
Empresa Laticínios São Bernardino - São Bernardino/SC - ligações não foram atendidas
Empresa cooperativa Coopleforsul - Formosa do Sul/SC - ligações não foram atendidas

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história