O policial militar Luis Paulo Mota Brentano, que atirou no surfista Ricardo dos Santos na Guarda do Embaú, teve o porte de arma suspenso pela Polícia Militar (PM) há três anos, mas a corporação devolveu a arma ao soldado algum tempo, não especificado, depois. A reportagem do Jornal do Almoço teve acesso aos documentos que comprovam a decisão da PM, que considera o soldado Mota agressivo:

"A análise dos fatos, bem como o histórico funcional do indiciado, revela que o soldado Mota trata-se de pessoa agressiva, não sendo este o primeiro caso em que o mesmo responde por atos de violência injustificada. Em razão do comportamento agressivo demonstrado, sou de parecer que o soldado Mota deve ser retirado imediatamente da atividade fim, sendo absolutamente desaconselhável autorizar o registro ou porte de armas particular ou da corporação". Capitão Ribeiro

O capitão concluiu um dos três inquéritos abertos contra o soldado Mota
na Justiça Militar. Em fevereiro de 2012, o comandante do 8º Batalhão, Coronel Eduardo Luiz do Valles, suspendeu o porte de arma e apreendeu a arma cedida pela corporção ao soldado, após ele ter se envolvido em situação parecida com a que resultou na morte de Ricardinho.

::  Delegacia de Palhoça finaliza inquérito e indicia policial que matou o surfista Ricardo dos Santos

Em janeiro de 2012, também em um momento de folga, Mota teria se envolvido em uma briga e ido até seu veículo buscar sua arma, que teria sido usada para agredir com coronhadas o homem com quem brigava, segundo denúncia do Ministério Público (MP)

Esse processo corre na justiça e o soldado responderá por lesão corporal. Em outro caso, em janeiro de 2010, o MP denunciou agressão de Mota a um jovem que não quis pagar a conta em uma boate de Joinville.

O afastamento do soldado de funções de rua da PM foi pedido pelo MP em 2 de junho de 2014, mas ele seguiu atendendo a chamados externos. Relatórios da PM mostram que Mota participou de uma ocorrência de furto em supermercado, oito dias após a decisão do MP, outra ocorrência de porte ilegal de arma de fogo na região central de Joinville em julho de 2014, e há três meses, participou da prisão de homens que roubaram uma verdureira. Em setembro, Mota participou de ocorrência que acabou na morte de um homem na zona sul de Joinville.

:: Policial que atirou no surfista Ricardinho se manifesta sobre o caso
:: Fantástico entrevista a mãe de rapaz que teria sido torturado por policial

O MP investigará agora por que a arma foi devolvida a Mota e se algum comandante quis favorecer o soldado. O promotor Raul Rabello pediu abertura de inquérito policial militar que tem 40 dias para ficar pronto. Com o resultado, o promotor poderá denunciar o comando pelo crime de prevaricação, quando se deixa de praticar ato de ofício para satisfazer interesse pessoal. A pena vai de 6 meses a dois anos de detenção.

Leia mais
::: Laudo confirma que policial que atirou em Ricardinho ingeriu álcool no dia do crime
::: MP havia recomendado afastamento do policial que atirou em surfista
::: Policial projetava carreira promissora antes de se envolver na morte de Ricardinho

Relembre a reconstituição do caso, feita nesta terça-feira na Guarda do Embaú:

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história