Imprevistos causam atrasos no cronograma das obras da Ponte Hercílio Luz Marco Favero/Agencia RBS

No canteiro de obras, soldadores trabalham nas vigas metálicas

Foto: Marco Favero / Agencia RBS

A construção dos quatro pilares de sustentação da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, foi retomada em abril deste ano, mas já está fora do cronograma. As estruturas que segurarão o cartão-postal em uma futura restauração fazem parte da etapa chamada Ponte Segura. A obra é de responsabilidade da empresa Empa – da portuguesa Teixeira Duarte – sob supervisão do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra)

Presidente do Crea-SC: "Acreditamos na recuperação da ponte"

O contrato entre o governo de SC e a companhia prevê pagamento mediante produtividade. O valor total é de R$ 10,3 milhões pela obra com prazo de 180 dias. As parcelas são depositadas mensalmente, contando desde maio, de acordo com o peso de material recebido e estruturado, sobretudo tubos e vigas metálicas e madeira. Cada quilo de material fornecido vale R$ 14,19, e o mesmo peso de material montado nos pilares vale R$ 18,66.

Quatro obstáculos que cercam a restauração da Hercílio Luz

O cronograma inicial previa que a Empa recebesse R$ 425 mil em maio e mais R$ 2,2 milhões em junho, chegando ao acumulado de R$ 2,6 milhões no período. Mas no cálculo real a empresa deve receber até o fim de junho R$ 763 mil, ou seja, 27% do previsto no período. Tendo como referência a conclusão da estrutura, a previsão inicial representaria cerca de 25% da obra, enquanto que o trabalho real foi de 7%.

De acordo com engenheiros da Empa e do Deinfra, mergulhadores tiveram que trocar parafusos corroídos nos dois pilares menores. Além disso, em dias de vento forte, os trabalhadores não podem usar as balsas no mar para atuar nas estruturas. E quando chove, os soldadores ficam impedidos de mexer nas vigas e nos tubos metálicos. Segundo um executivo da Empa, o tempo instável prejudicou ao menos 15 dias de trabalho.

O presidente do Deinfra, Wanderley Dagostini, admite que a obra sofreu um atraso no começo, mas garante o cronograma:

– O prazo é apertado, mas como ele foi feito em emergência, é isso que a lei prevê, não pode ser prorrogado. Tem que ser cumprido.

Membros da equipe garantem que as camadas finais dos dois pilares estão em estágio avançado e serão encaixadas em julho.



 
Acerto com americanos ainda está em aberto

A etapa chamada de Ponte Segura é uma fase intermediária para a restauração e uma segurança (física e jurídica) para o patrimônio histórico. Ela foi iniciada em 2012 pelo Consórcio Florianópolis Monumento, liderado pela construtora Espaço Aberto, que alcançou 30% de montagem das estruturas, mas a obra ficou parada por oito meses depois de o governo rescindir contrato com as empresas em agosto de 2014. Os trabalhos foram retomados com a Empa, em abril deste ano.

Mesmo se esta etapa for finalizada a tempo, ainda resta saber se a American Bridge irá ou não apresentar um orçamento para a restauração completa da ponte. Os americanos estão sendo sondados pelo governo catarinense desde fevereiro por terem sido os mesmos a construir a Hercílio Luz na década de 1920. O governador Raimundo Colombo já anunciou que tem uma reserva de R$ 130 milhões, emprestados do BNDES, para o possível contrato. Se o preço da empresa será compatível, também é uma incógnita.    
 
Especialistas da American Bridge fizeram até agora quatro visitas à ponte para análise e tomada de fotografias. Em abril, o vice-presidente da empresa, Michale Cegelis, esteve em Santa Catarina e disse que apresentaria uma proposta dentro de 60 dias. Findo este primeiro prazo (por eles estabelecido), os americanos comunicaram que até agosto darão uma resposta ao governo.

A questão é que a estrutura de sustentação sofre desgaste e, se houver um longo intervalo entre a conclusão e o início da recuperação, os cofres públicos poderão arcar com os custos não só da manutenção da ponte, mas também da conservação de uma estrutura de sustentação em desuso.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história