Polícia interdita cinco postos de combustíveis por falta de alvará em Florianópolis Divulgação/Polícia Civil

Ação da gerência de jogos e diversões começou na noite de quarta e terminou na madrugada desta quinta.

Foto: Divulgação / Polícia Civil

Cinco postos de combustíveis e uma casa noturna foram interditados entre a noite de quarta-feira e a madrugada de quinta-feira em Florianópolis na operação Abastecimento Seguro da Polícia Civil. O motivo é a falta do alvará policial, que leva em conta entre outras questões a segurança do local.

A fiscalização é da gerência de jogos e diversões da Polícia Civil. Os postos ficam nos bairros Ingleses (norte da Ilha), Santa Mônica, Jurerê e SC-401.



A delegada responsável pela gerência, Michele Correa, explica que a ação foi uma sequência da primeira etapa realizada em maio com o objetivo de notificar os postos de combustíveis irregulares em Florianópolis. Dos 121 postos, apenas 49 se regularizaram com a Polícia Civil até agora.

— Esses postos interditados já haviam sido notificados e a maioria deles também não se adequou com os bombeiros. Nossa ação é por segurança e prevenção, além do caráter pedagógico — disse a delegada.

Uma das constatações foi a existência de mesas na parte externa a menos de dois metros das bombas. A delegada observa também que nesses postos há lojas de conveniências com funcionamento 24 horas e intensa circulação de pessoas, o que aumenta a preocupação com a segurança em caso de acidente.

Além dos postos, uma casa noturna no bairro Rio Tavares, sul da Ilha, foi interditada pelos policiais. Segundo a delegada, o estabelecimento não apresentou o alvará da Polícia Civil e também foi alvo de reclamações de perturbação por não ter o tratamento acústico devido.

Para reabrir, os postos e a casa noturna devem conseguir o alvará, documento que a delegada afirma ser concedido no mesmo dia ou no máximo no seguinte depois que o solicitante apresenta a documentação necessária. A operação começou às 22h e se encerrou às 4 horas da madrugada desta quinta.

Diário Catarinense
 Veja também
 
 Comente essa história