Com mandados de busca e apreensão cumpridos em 26 localidades de Santa Catarina e do Paraná, a Polícia Federal de Dionísio Cerqueira, no Extremo Oeste do Estado, busca agora saber quem comandava um esquema de compra de votos que teria atuado nas eleições de 2014 — a princípio apenas na região e operado a partir de Florianópolis. Com a coleta de dados, a polícia agora analisará as informações e documentos e deve intimar na sequência os 23 envolvidos a prestarem esclarecimentos.

PF deflagra operação para apurar crime eleitoral no Oeste de SC
Operação Pecúnia cumpre mandado no Deinfra, em Florianópolis

Batizada de Operação Pecúnia, a investigação começou com a apreensão de R$ 110 mil em setembro de 2014 por policiais rodoviários federais em Maravilha. Com base nisso os promotores eleitorais de Dionísio Cerqueira, Anchieta e Maravilha pediram a instauração de um inquérito policial e no decorrer da operação foram apreendidos mais R$ 48 mil.

Pelo que se apurou até o momento, conforme a PF, haveria um grupo político atuando a partir de Florianópolis que enviaria dinheiro para diversos municípios da região do Extremo Oeste para a compra de votos. Os mandados cumpridos nesta quinta-feira envolvem 23 pessoas, que seriam cabos eleitorais dos líderes do esquema, ainda não identificados.

— O dinheiro de campanha política tem que transitar por conta bancária, então se presume que esses valores apreendidos são do caixa 2, que é o que se investiga. O dinheiro vinha e acreditamos que se operava da Capital, no Oeste ficariam os peões que corriam atrás dos votos. Tinha alguém interessado e beneficiado no esquema, que estamos procurando entender quem era — explica o delegado da PF Márcio Antônio Lélis Anater, responsável pela operação.

Operação mobiliza policiais de todo o Sul do país

Cerca de 100 policiais federais de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul atuaram na ação desta quinta. Um dos locais visitados foi a sede do Deinfra, em Florianópolis, onde os agentes procuravam documentos na sala de um ex-funcionário comissionado, cujo nome não foi confirmado. Conforme esclarecido pela própria PF, a busca não tem nenhuma relação com o órgão estadual, mas unicamente com o ex-servidor. A presidência do Deinfra também emitiu nota reiterando a informação.

— Todos os 23 envolvidos nos mandados são militantes, são do mundo político. Há inclusive vereadores e ex-vereadores. Estamos investigando na região Oeste e Extremo Oeste a partir do fato concreto que ocorreu aqui, mas não se descarta que o esquema de compra de votos funcionava em todo o Estado — afirma o delegado.

Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Florianópolis, Balneário Camboriú, Palma Sola, Guaraciaba, Maravilha, Itapiranga, São Miguel do Oeste, Cunha Porã, São João do Oeste, Iraceminha, Iporã do Oeste, Tunápolis, Belmonte, Bandeirante, Mondaí, Princesa, São José do Cedro, Guarujá do Sul, Romelândia e Barracão (PR). Cerca de R$ 75 mil foram apreendidos em uma casa em Maravilha. A PF não divulgou o nome de nenhum dos investigados.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história