Em dia de festa, Mercado Público volta a ser o ponto de encontro de Florianópolis Felipe Carneiro/Agencia RBS

Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

A reabertura do Mercado Público de Florianópolis nesta quarta-feira foi uma cerimônia permeada pela essência do que é ser manezinho. Desde as 10h da manhã até depois das 21h, centenas de pessoas turistaram na própria cidade e voltaram a se reunir no histórico ponto de encontro da Ilha. A Polícia Militar estima que ao longo de todo o dia passaram aproximadamente 100 mil pessoas pelo Mercado.

Os cidadãos viram a faixa em frente ao Mercado ser cortada ao som de Rancho de Amor à Ilha às 12h05min. A emoção era grande, afinal os catarinenses estavam há 15 meses longe de um de seus maiores cartões postais.

Veja como foi a inauguração do Mercado e a festa durante a tarde

— O Mercado é a âncora fundamental no processo de reocupação e requalificação do centro histórico de Florianópolis — analisou o Prefeito César Souza Júnior (PSD).

— O coração da nossa cidade volta a bater a partir de hoje — completou.

As homenagens começaram já no novo nome do mercado: Aldrírio Simões, jornalista e carnavelesco, criador do troféu Manezinho da Ilha, que morreu em 2004.  Aliás, clima de carnaval era como um dos organizadores do Berbigão do Boca, Paulinho Abraão, caracterizou a festa logo após a apresentação do bloco.

 

Outras atrações catarinenses também subiram ao palco, como o stand up comedy do mané Darci, apresentação do boi de mamão e show da banda Dazaranha. Para encerrar um dia de festas, o show nacional do grupo de pagode Revelação fez com que os entornos do Mercado continuasse cheio ainda 21h.

Nos pratos em cima das mesas, ou mesmo em pé, os visitantes comiam peixes, castanhas, carnes e tomavam cerveja e cachaça durante toda a tarde. Era clima de festa.

Na ala sul, um vazamento no banheiro feminino interditou a estrutura e causou filas nos outros espaços disponíveis. À noite, na festa, uma briga obrigou a PM a utilizar spray de pimenta para conter os ânimos exaltados.

De olho nas novidades

O movimento de curiosos para conhecer a nova ala do Mercado Público de Florianópolis fez com que centenas de pessoas passeassem pelas 70 lojas da ala norte e os 25 boxes da ala sul, reinaugurada nesta quarta-feira. Outros 11 boxes devem abrir nos próximos dias.

Na ala sul, recém-inaugurada, oito boxes ainda não abriram. Janaína Guimarães, permissionária de um deles, conferiu a inauguração e deu os últimos retoques em seu novo espaço na tarde dessa quarta-feira, para abrir na semana que vem.

— Vamos abrir um empório de frios. Pelo movimento de hoje, estamos com bastante expectativa — revela a empreendedora, que é manezinha da Ilha.



As peixarias receberam da Prefeitura da Capital, por meio do Governo do Estado de Santa Catarina, os certificados sanitários da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc).

— Estudamos por três meses e mudamos bastante coisa na infraestrutura da peixaria para receber esse selo e poder continuar manuseando e oferecendo frutos do mar de qualidade à população — resumiu Manoel Guimarães, com o certificado em mãos.

Mesmo com o grande movimento, os donos dos estabelecimentos afirmam que não venderam muito nesta inauguração. Só resta esperar pelos próximos dias.

Por outro lado, o público reclamava do preço de alguns itens:

— Uma garrafa de cerveja por R$ 14 é para matar. Na temporada vão lucrar, mas depois vão ter que penar — disse um consumidor, que preferiu não revelar sua identidade.

Conheça o comércio, as alas e as histórias do Mercado Público
Clique na foto e acesse o especial do Mercado Público de Florianópolis:

Mercado Público de Florianópolis

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história