Após veto, Temer defende liberar doação de empresas LÚCIO TÁVORA/AGÊNCIA A TARDE/AE

Foto: LÚCIO TÁVORA / AGÊNCIA A TARDE/AE

Um dia depois de a presidente Dilma Rousseff vetar a doação de empresas a campanhas, o vice-presidente Michel Temer disse nesta quarta-feira que está trabalhando para que o Senado aprove a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que regulariza esse tipo de financiamento.

Historicamente, PT e PMDB sempre divergiram sobre essa questão. Enquanto o partido da presidente defende o financiamento público exclusivo de campanhas, o do vice considera adequado um partido receber doações empresariais.

STF proíbe doação de empresas a campanhas eleitorais
Dilma decide vetar doações de empresas para campanhas eleitorais

Temer, porém, afirmou que Dilma agiu corretamente ao vetar o trecho do projeto da reforma política que tratava desse tema, já que o Supremo Tribunal Federal (STF) havia decidido no início do mês declarar inconstitucional o financiamento empresarial de campanhas.

Ele, no entanto, afirmou que a aprovação de uma mudança na Constituição "contornaria" a decisão do Supremo e iria solucionar esse problema.

— Eu falei, como presidente do PMDB, que se tentasse aprovar aquela Proposta de Emenda Constitucional que está no Senado, porque resolve a matéria referente a financiamento de campanha, e na verdade, acaba contornando a própria declaração que o Supremo Tribunal Federal fez, de maneira adequada, referente à inconstitucionalidade da lei — disse.

Lewandowski reafirma que normas sobre doação valerão em 2016
Câmara mantém doações de empresas a partidos

Oposição

Pela manhã, Temer recebeu lideranças da oposição Câmara para conversar sobre o assunto. Os deputados afirmaram que vieram procurar o vice na condição de presidente do PMDB e do renomado constitucionalista que ele é. Durante a reunião, o vice ligou para o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e pediu para que ele recebesse o grupo.

Na terça, Renan recuou da ideia de acelerar a tramitação da PEC que permite que empresas doem para partidos políticos. Após uma reunião com os líderes das bancadas no Senado, o peemedebista afirmou que não havia consenso sobre a matéria.

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história