Assessores de vereadores são presos com armas e uniformes da PM em Balneário Camboriú Luiz Carlos de Souza/Agencia RBS

Simulacro de fuzil apreendido era de traficante, diz polícia

Foto: Luiz Carlos de Souza / Agencia RBS

Dois assessores de vereadores de Balneário Camboriú foram presos em flagrante por porte de armas e uniformes policiais na manhã desta sexta-feira pela Divisão de Investigações Criminais da Polícia Civil (DIC). Paulo Roberto Leite e Wilian Emanuel Silveira estão entre os investigados da operação que levou à prisão o sargento da Polícia Militar Fabiano Aparecido Aimé dos Santos, no dia 11 de setembro.

Paulo Roberto Leite é assessor do presidente do Legislativo, vereador Nilson Probst (PMDB). Com ele foi apreendida uma farda completa da Polícia Militar, distintivo da Polícia Federal e coletes balísticos, além de uma pistola calibre 380, um simulacro de revólver e outro de um fuzil Colt M4 calibre 556 _ que, segundo o delegado Osnei Valdir de Oliveira, pertencia a um traficante e foi tomado em uma ação policial forjada.

Wilian Emanuel Silveira, embora não esteja vinculado à Câmara de Vereadores, atuaria como assessor do vereador Marcelo Achutti. Ele estava de posse de um boné da Polícia Militar, algemas e spray de pimenta. Deve ser liberado mediante pagamento de fiança.

As prisões ocorreram durante o cumprimento de oito mandados de busca e apreensão que, além das casas dos dois assessores, também incluiu residências e armários funcionais de cinco policiais militares em Balneário Camboriú, Tijucas e São José.

De acordo com as investigações, os assessores utilizavam os equipamentos da polícia para executarem falsas ações em proveito próprio. Com auxílio de PMs investigados, eles fariam apreensões de armas e drogas que não eram contabilizados nos registros oficiais.

_ Eles se passavam por policiais militares do P2 (o setor de inteligência da PM). Faziam abordagens e depois chamavam os policiais. O material apreendido era desviado em favor deles e dos PMs _ explica o delegado. Segundo ele, as ações forjadas ocorriam em Balneário Camboriú e Camboriú.

Munição

Com um dos policiais em Balneário foram encontradas munições semelhantes às usadas em treinamento. A PM quer saber, agora, se foram retiradas do batalhão ou compradas em outro local.

Embora a DIC não tenha encontrado com os policiais que foram alvos dos mandados materiais que os levassem à prisão em flagrante, o delegado Osnei Valdir de Oliveira diz ter recolhido elementos que vão corroborar com as investigações:

_ Temos elementos que possibilitam o indiciamento _ adiantou.

Logo após o cumprimento dos mandados, que foi feito com apoio da Polícia Militar, o comandante do 12º Batalhão da PM em Balneário Camboriú, Evaldo Hoffmann, disse que os policiais envolvidos já vinham sendo investigados pela própria PM há cerca de quatro meses. Nesta sexta-feira à tarde ele deve decidir, junto com o comando regional, que destino eles terão.

Contraponto

No fim da manhã a Câmara de Vereadores emitiu nota oficial dizendo que a operação não tem relação com o Legislativo ou com os parlamentares.

O vereador Nilson Probst informou que determinou a exoneração imediata de Paulo Roberto Leite, que trabalha com ele há sete anos.

Já o vereador Marcelo Archutti disse que, embora a polícia tenha informado que Willian Emanoel Silveira o assessora, ele é apenas um amigo e não tem relação empregatícia nenhuma com ele. Disse que é um cabo eleitoral que ajudou na campanha pra vereador.

As defesas dos dois presos não foram localizadas.

O SOL DIÁRIO
 Veja também
 
 Comente essa história