Cantora transexual relata ter sido agredida com chave de fenda na Cidade Baixa Valéria Houston/Arquivo Pessoal

A cantora transexual Valéria Houston conta que foi golpeada com uma chave de fenda e ameaçada com uma faca de cozinha

Foto: Valéria Houston / Arquivo Pessoal

Uma perfuração no braço e uma lesão superficial nas costas causadas por uma chave de fenda, chutes em diversas partes do corpo e ameaças de ataque com uma faca de cozinha: esse é o saldo do passeio feito pela cantora transexual Valéria Houston com o namorado no último domingo, na Cidade Baixa, em Porto Alegre. A artista gaúcha – que já se apresentou em Paris, participou de programas televisivos e tem uma longa carreira em bares da Capital – relata que as agressões tiveram motivação homofóbica e não foram registrados pela polícia, que, segundo ela, se recusou a produzir boletim de ocorrência. 

FUI AGREDIDA POR UM HOMOFÓBICO NA REPÚBLICA ONTEM! Estávamos passeando luise eu,.por volta das 16:15 da tarde,sol...

Posted by Valeria Houston Barcellos on Segunda, 31 de agosto de 2015

De acordo com Valéria, ela e o marido caminhavam pela Rua da República por volta das 16h15min, quando foram insultados por um homem de cerca de 40 anos, negro, vestido de camiseta branca e jeans, que gritou palavras como "aberrações", "vocês têm que morrer", "traveco preto do inferno", "onde já se viu isso na rua?". Ainda segundo o relato da cantora, o casal teria parado e perguntado se os xingamentos eram para eles.

Preso primeiro suspeito de participação na morte de transexual em POA
Projeto de lei proíbe verba pública para músicas machistas
Em "saiaço", jovens manifestam contra a homofobia em Caçapava do Sul

– Ele respondeu "sim, para ti e para esse putão que está contigo" e veio se aproximando. Ele estava tirando uma chave de fenda da mochila, e eu fui para cima. Ele tentou cravar a chave de fenda nas minhas costas, mas acabou raspando, não conseguiu entrar. Meu namorado viu tudo, foi para cima dele e levou no braço. A chave de fenda quase atravessou. Eu fiquei apavorada, comecei a gritar, mas ninguém parou – conta Valéria, por telefone.

O agressor, então, teria tirado uma faca de cozinha da mochila e ameaçado o casal. Assustados, os dois teriam se afastado, enquanto o agressor prosseguia em direção ao Parque da Redenção, repetindo ofensas homofóbicas.

Valéria Houston tem longa carreira como cantora na noite porto-alegrense
Foto: Gelson Roldo / Divulgação

No Facebook, Valéria relata que teve de ir até o Centro para encontrar policiais. Segundo ela, os agentes foram encontrados no posto da Brigada Militar da Rua José Montaury, mas a ajuda não veio.

– O policial falou que não podia fazer nada por mim. Falei "é só ir atrás do cara e prendê-lo", mas ele falou que não podia me ajudar. Não consegui fazer o boletim de ocorrência por isso – conta.

Valéria diz que já entrou em contato com a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RS), que deve oferecer assistência jurídica. Ela conta que achou que a resposta se devia ao aquartelamento de policiais após o parcelamento de salários. A capitã Martha Richter de Oliveira, responsável pelo policiamento da região central de Porto Alegre, diz que a corporação está trabalhando normalmente. Martha diz ainda que não pode abrir investigação com base em um post de rede social, mas se coloca à disposição de Valéria para tomar as medidas cabíveis:

– Militar estadual não tem direito a greve, estamos trabalhando normalmente. Se ela vier me procurar, identificar o policial, vou ouvi-la e investigar a situação. Mas, até agora, não tomei conhecimento formal sobre isso, então não tenho como investigar.

Depois do episódio, Valéria diz que se sente "impotente":

– Sinto-me refém da falta de apoio. Não tem nada que defenda a gente. Sem que a gente fizesse nada... Dava para notar muito ódio na voz dele. É gratuito.

 Veja também
 
 Comente essa história