Cúpula do PT no Congresso defende criar faixa de isenção para CPMF EVARISTO SA/AFP

PEC para recriação da CPMF deve ser encaminhada nos próximos dias pelo Palácio do Planalto ao Congresso

Foto: EVARISTO SA / AFP

Sob a ameaça de perder apoio de setores ligados aos movimentos sociais e diante do desgaste político, integrantes da cúpula do PT no Congresso já iniciaram uma discussão a fim de alterar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para recriação da CPMF. A PEC deverá ser encaminhada nos próximos dias pelo Palácio do Planalto ao Congresso e é uma das medidas para tentar recompor o Orçamento da União de 2016, anunciado no fim de agosto com um rombo de R$ 30 bilhões.

Em conversas preliminares, realizadas nos últimos dois dias, algumas lideranças do PT no Congresso consideram que poderão amenizar o impacto eleitoral estabelecendo critérios para livrar do pagamento da CPMF integrantes da classe C e da chamada "nova classe média".

Aliados veem resistência à volta da CPMF
VÍDEO: como os cortes anunciados pelo governo federal afetam sua vida

— Chamamos de faixa de isenção. Estamos conversando — afirmou o líder do governo no Congresso, José Pimentel (PT-CE).

As discussões por uma alternativa menos impopular também envolvem os líderes no Senado do governo, Delcídio Amaral (PT-MS), e do PT, Humberto Costa (PE). A ideia inicial é estabelecer um modelo similar de isenção ao que é adotado atualmente em relação ao Imposto de Renda da Pessoa Física. A forma de restituição, no entanto, ainda não foi discutida.

Além da isenção para as classes que estão na base da pirâmide social, tem sido discutido entre os petistas o estabelecimento de uma graduação da cobrança da CPMF. Caso avancem as discussões para se ampliar a taxação a 0,38%, como defendem alguns governadores, a ideia considerada preliminarmente é o de criar três faixas de aplicação do imposto, que iria do 0,20% até 0,38%.

Quanto maior a movimentação, maior seria a alíquota aplicada. Essa alternativa também serve para o PT manter o discurso de que o caminho para sair da atual crise econômica é o de ampliar a participação do "andar de cima".

Governo terá dificuldade para aprovar CPMF, diz Cunha
Dilma diz que irá se empenhar pessoalmente para garantir apoio ao novo pacote

Possíveis isenções estabelecidas na PEC, por outro lado, deverão acarretar na redução da arrecadação com o imposto. A estimativa da equipe econômica do governo é de que a CPMF reforce o caixa da União com ao menos R$ 32 bilhões. Diante da possibilidade de não se chegar a esse valor, integrantes da cúpula do PT deverão investir na aprovação do projeto que regulariza recursos depositados no exterior, que não haviam sido declarados à Receita Federal. A estimativa de receita mais pessimista com a aprovação dessa proposta é de R$ 20 bilhões.

Rosane de Oliveira: Dilma rasga o que sobrou do discurso
Carolina Bahia: CPMF não resolver

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, as alternativas à CPMF deverão ser colocadas pelas lideranças do PT no Senado em encontro com o presidente da legenda, Rui Falcão, previsto para ocorrer nesta quarta-feira, em Brasília. A reunião com os senadores ocorrerá na véspera da reunião da Executiva Nacional do PT, que acontece nesta quinta-feira em São Paulo.

ESTADÃO CONTEÚDO
 Veja também
 
 Comente essa história