Dilma demite o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro Charles Shol/Estadão Conteúdo

Renato Janine Ribeiro deixa o Ministério da Educação pouco antes de completar seis meses no cargo

Foto: Charles Shol / Estadão Conteúdo

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, foi demitido nesta quarta-feira pela presidente Dilma Rousseff, como parte da reforma ministerial, segundo o jornal O Globo. Pouco antes de completar seis meses no cargo, Janine foi chamado ao Palácio do Planalto, onde foi comunicado da saída, que já era esperada.

Dilma estuda colocar uma mulher no novo ministério da Cidadania
Lula pede ao PT que não atrapalhe reforma ministerial

Esta é a terceira vez, em 10 meses, que a pasta terá um novo ministro. O antecessor de Janine foi Cid Gomes, ex-governador do Ceará.

Chioro defende transparência e coerência na gestão de políticas públicas

O nome mais cotado para assumir o ministério é Aloizio Mercadante, atualmente na Casa Civil. O secretário-executivo da Educação, Luiz Cláudio Costa, esteve no Planalto para tratar com Mercadante, entre outros assuntos, da transição ministerial.

Dilma demite ministro da Saúde por telefone e acelera reforma
Dilma se encontra com Temer e sinaliza que pode dar 7 ministérios ao PMDB

Pressionada pelos movimentos sociais, a presidente Dilma Rousseff estuda colocar uma mulher à frente do novo ministério da Cidadania. A pasta nascerá da fusão das secretarias de Direitos Humanos, Promoção da Igualdade Racial e Políticas para as Mulheres, além de parte da Secretaria-Geral. A favorita para assumir a estrutura é a deputada Moema Gramacho (PT-BA).  Neste movimento, o gaúcho Pepe Vargas (PT-RS) deixará os Direitos Humanos e voltará ao mandato de deputado federal.

Pepe Vargas deixa Secretaria de Direitos Humanos
Cotado para Casa Civil, Wagner diz que articulação política fica com Berzoini
Mercadante deixa a Casa Civil e volta a comandar Ministério da Educação

No governo, especula-se que Miguel Rossetto possa voltar ao Ministério do Desenvolvimento Agrário, implicando saída de Patrus Ananias (PT-MG). Outra alternativa seria o gaúcho assumir um cargo de segundo escalão, como uma diretoria na Itaipu.

*Zero Hora

 Veja também
 
 Comente essa história