Dilma promete redução de 43% das emissões de gases até 2030 TIMOTHY A. CLARY/AFP

Presidente durante o discurso na Conferência das Nações Unidas para a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Foto: TIMOTHY A. CLARY / AFP

A presidente Dilma Rousseff disse, neste domingo, que as metas brasileiras para reduzir a emissão de gases de efeito estufa são de 37% até 2025 e de 43% até 2030. O anúncio foi feito durante a Conferência das Nações Unidas para a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015, em Nova York. O ano-base utilizado para os cálculos, segundo ela, é 2005.



Brasil tem reservas suficientes para lidar com a alta do dólar, diz Dilma

Durante seu discurso, Dilma destacou que os números serão levados à Conferência do Clima, em Paris, como compromisso assumido pelo governo brasileiro.

— A Conferência de Paris é uma oportunidade única para construirmos uma resposta comum para o desafio global de mudanças do clima. O Brasil tem feito grande esforço para reduzir as emissões de gás de efeito estufa, sem comprometer nosso desenvolvimento econômico e nossa inclusão social — disse.

Dilma defende reforma no Conselho de Segurança da ONU

A presidente citou ainda o que chamou de objetivos ambiciosos para o setor energético, com destaque para a garantia de 45% de fontes renováveis no total da matriz energética. No mundo, a média, segundo ela, é de 13%.

Segundo informações do G1, o secretário-executivo da rede de ONGs Observatório do Clima, Carlos Rittl, considera o anúncio como uma indicação positiva, já que o Brasil, entre os grandes emissores, é o que propôs a maior meta. Apesar de ambiciosa, Rittl ainda classifica a proposta como insuficiente, já que o potencial de redução do país seria maior do que o anunciado.

Os demais anúncios feitos por Dilma incluem a participação de 66% de fonte hídrica na geração de eletricidade; a participação de 23% de fontes renováveis, eólica, solar e biomassa na geração de energia elétrica; o aumento de cerca de 10% na eficiência elétrica; e a participação de 16% de etanol carburante e demais fontes derivadas da cana-de-açúcar no total da matriz energética.

Moisés Mendes: golpes dividem famílias

— As adaptações necessárias frente a mudança do clima estão sendo acompanhadas por transformações importantes nas áreas de uso da terra e florestas, agropecuária, energia, padrões de produção e consumo — declarou.

— O Brasil é um dos poucos países em desenvolvimento a assumir uma meta absoluta de redução de emissões. Temos uma das maiores populações e PIB [Produto Interno Bruto] do mundo e nossas metas são tão ou mais ambiciosas que aquelas dos países desenvolvidos — completou.

Rosane de Oliveira: Dilma e o clichê do labirinto

 Veja também
 
 Comente essa história