Funcionários da BMW paralisam atividades em Araquari, Norte de SC Salmo Duarte/Agencia RBS

Representante do sindicato explica o processo de negociação do PPR

Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS

Cerca de 200 funcionários da montadora da BMW cruzaram os braços e fizeram uma assembleia em frente à unidade de Araquari, no Norte de Santa Catarina. A manifestação começou por volta das 6h30 e só foi encerrada às 10h30, quanto todos voltaram ao trabalho.

Leia as últimas notícias de Joinville e região

Saiba como são feitos os carros de luxo da BMW

Eles reivindicam uma série de regras do Plano de Participação nos Resultados (PPR) e outras questões que envolvem o banco de horas e denúncias pontuais de assédio moral dentro da empresa.

Os setores de montagem, de logística e de carroceria e pintura foram os mais afetados pela paralisação.

O Sindicato dos Metalúrgicos de Araquari e São Francisco do Sul, com a ajuda do sindicato da categoria em Joinville e de representantes da Confederação Nacional de Metalúrgicos, liderou o protesto.

Desde agosto, uma comissão discute o plano de participação nos resultados com os funcionários. Entre as regras, há uma condicionante que envolve o banco de horas. Os trabalhadores não aceitam e querem desvincular as negociações do plano e do banco.
A unidade da BMW em Araquari tem em torno de 640 funcionários.

Na tarde desta terça-feira, os líderes da paralisação devem protocolar um documento junto ao departamento de Recursos Humanos da empresa e ao Ministério do Trabalho.

Na proposta, o sindicato  irá solicitar que a participação nos lucros seja dividida em partes iguais para todos os trabalhadores e que a discussão do banco de horas seja separada.

O documento também irá sugerir que a questão do banco de horas seja debatida só depois do dissídio coletivo, que vence em setembro, e que não haja retaliações aos trabalhadores que participaram da manifestação.

Contraponto

A direção da empresa informou, por meio da assessoria de imprensa, que não vai se manifestar sobre as reivindicações porque os detalhes estão em negociação.

Também não detalhou os prejuízos da manifestação para a linha de produção dos automóveis fabricados em Araquari.

A NOTÍCIA
 Veja também
 
 Comente essa história