Governo terá dificuldade para aprovar CPMF, diz Cunha Gustavo Lima/Câmara dos Deputados,Divulgação

Foto: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados,Divulgação

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, disse ser “muito pouco provável” a aprovação no Congresso do retorno da Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF), com alíquota de 0,2%, como anunciado pelo governo na segunda-feira.

— O Executivo está com a base muito frágil aqui. Além de estar com uma base muito frágil, o tema por si só já é polêmico — afirmou Cunha.

Em reunião com senadores, Dilma reconhece dificuldades para aprovar nova CPMF

De acordo com Cunha, haverá muita dificuldade em se aprovar o retorno da CPMF porque a discussão no Congresso será longa, até por se tratar de uma alteração na Constituição.

— O tempo de uma matéria dessas tramitar é muito longo. Basta vocês verem que a DRU [Desvinculação de Receitas da União] ainda não saiu da CCJ [Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania] — destacou.

Cunha critica pacote: "Governo faz ajuste na conta dos outros"

— O governo terá muita dificuldade de passar uma emenda constitucional de CPMF. Acho muito pouco provável — reiterou.

Anúncio do governo

O governo anunciou na segunda-feira um conjunto de medidas para reduzir os gastos e ampliar as receitas de 2016. O objetivo é alcançar um superávit primário de R$ 34,4 bilhões, superando o déficit primário de R$ 30,5 bilhões contido na proposta orçamentária do próximo ano, em tramitação na Comissão Mista de Orçamento.



As medidas, anunciadas pelos ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento), passam por corte nas despesas obrigatórias e discricionárias (R$ 26 bilhões), aumento de receitas (R$ 28,4 bilhões), que inclui a retomada da cobrança da CPMF (imposto do cheque), e redução de gastos tributários (R$ 5,9 bilhões).

"Governo do PT quer da sociedade um cheque em branco", critica Aécio

Em linhas gerais, os cortes nas despesas estão próximos do que a consultoria de orçamento da Câmara dos Deputados propôs ao relator-geral da proposta orçamentária, deputado Ricardo Barros (PP-PR). O estudo foi apresentado ao governo.

* Agência Câmara

 Veja também
 
 Comente essa história