O vereador Badeko (PSD), afastado da Câmara de Florianópolis desde novembro de 2014 por conta da Operação Ave de Rapina, recebeu autorização da Justiça para voltar ao cargo, cerca de dez meses depois da ação da Polícia Federal. A decisão foi emitida pela Vara do Crime Organizado da Capital. 

Ministério Público volta a pedir mais provas à Polícia Federal
Badeko consegue impedir processo de cassação na Câmara

A autorização, expedida no final da tarde da última sexta-feira, dia 18, é resultado de um recurso protocolado pela defesa de Badeko em julho deste ano. Na ocasião, o Tribunal de Justiça acatou o pedido de habeas corpus do parlamentar e estipulou um prazo de 60 dias para a conclusão das acusações.

Como neste intervalo de tempo não foi formalizada nenhuma denúncia contra Badeko por parte do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), o juiz Marcelo Volpato de Souza entendeu que não há mais impeditivos para o seu retorno ao Legislativo. Agora cabe à Câmara de Vereadores decidir quando o parlamentar voltará à sua cadeira.

O advogado de Badeko, Lídio Moisés da Cruz, esteve nesta segunda-feira na Câmara de Vereadores para formalizar o pedido de retorno. Mas, segundo ele, a requisição e a decisão judicial ainda devem ser lidas em sessão plenária antes que o parlamentar possa voltar em efetivo. 

Logo após a operação policial, a Justiça chegou a afastar Badeko no dia 12 de dezembro de 2014 pelo período de 180 dias, a pedido do MPSC. Um novo pedido de afastamento foi aceito ao fim do primeiro prazo. O vereador também ficou preso preventivamente por 30 dias. Ele é acusado de participar de esquema de corrupção na tramitação do projeto de lei Cidade Limpa e de fraudes em licitação pela Fundação Franklin Cascaes.   

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história