Medidas do governo serão melhoradas no Congresso, diz Renan Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Logo após o anúncio de um novo pacote de ajuste fiscal pelo governo para atingir a meta de superávit primário de 0,7% do PIB em 2016, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta segunda-feira, que todas as medidas apresentadas pelo Executivo serão melhoradas na tramitação do Legislativo. Crítico do aumento de impostos, contudo, o peemedebista se esquivou de responder se a nova CPMF será aprovada pelo Congresso.

Conheça os cortes no orçamento de 2016 anunciados nesta segunda-feira

— O que vai acontecer na tramitação da CPMF não cabe ao presidente do Congresso Nacional dizer. O Congresso Nacional tende a melhorar todas as medidas que por aqui tramitam — disse ele que, mais cedo, recebeu uma ligação da presidente Dilma Rousseff na qual detalhou as medidas a serem anunciadas esta tarde.

Para Renan, "fazer alguma coisa é sempre melhor do que não fazer nada".

— Precisamos saber, no entanto, se a coisa que está sendo feita é a coisa certa. É isso que o Congresso Nacional vai dizer durante a tramitação da proposta — afirmou.

Temer diz que tem certeza de que Dilma terminará o mandato em 2018

O peemedebista elogiou o fato de que o governo, "sem dúvida nenhuma", está demonstrando que quer vencer o imobilismo e está recuperando sua capacidade de iniciativa. Ele classificou como "muito boa" essa ação do Executivo.

O peemedebista negou que tenha mudado em relação a sua posição contrária ao aumento de impostos. Segundo ele, havia uma preliminar que tem que ser defendida que é o corte de despesas, tido por ele como o primeiro passo para que se possa discutir na sequência uma elevação da carga tributária.

— Prefiro dizer que havia uma preliminar que precisava mais do que nunca ser colocada: a necessidade de cortar significativamente gastos e o governo não pode ter nenhuma dúvida com relação a corte de ministério e corte de cargos em comissão, a partir daí, o Congresso Nacional vai discutir e aprimorar — completou.

Leia as últimas notícias do dia

*Zero Hora

 Veja também
 
 Comente essa história