Em entrevista à Agência RBS, o secretário de Estado da Defesa Civil, Milton Hobus, garantiu que Santa Catarina está preparada, tanto do ponto de vista da infraestrutura como da organização de prevenção, para enfrentar um alto volume de chuva em decorrência do El Niño nos próximos meses.

Confira:

Agência RBS: Qual o foco da Defesa Civil do Estado neste momento?
Milton Hobus: É manter um bom serviço de informação e orientação das comunidades. Estamos alertando prefeitos e coordenadores de Defesa Civil para ter esse olhar da prevenção e estamos investindo em intervenções pontuais que beneficiam as comunidades nas chuvas. Recebemos o alerta do radar que neste fim de semana haverá chuva do Meio-oeste ao Litoral Sul, por exemplo. Como foram feitas pequenas obras preventivas ao longo do ano em áreas que apresentavam problemas pontuais, com as chuvas das últimas semanas foram poucos os problemas. São incluídas nessas ações limpeza, dragagem dos rios e drenagem pluvial. Em Camboriú, por exemplo, choveu bastante e os alagamentos eram recorrentes, mas como dragamos três rios, eles não encheram e não afetaram os moradores. Onde detectamos problemas pontuais, decorrentes de volumes acumulados de água, fizemos obras preventivas e percebemos que nas últimas chuvas ajudou bastante. Isso se repetiu em Meleiro, Caçador, Araranguá.

Agência RBS: A ocupação da barragem de José Boiteux por índios há mais de um ano é um problema para a operação da barragem?
Hobus: No dia 1º de outubro haverá uma reunião com o governo estadual, índios e comunidade no Supremo Tribunal Federal para avançar nas negociações sobre as terras. Sinceramente, não tenho nenhuma preocupação com a operação da barragem. A principal questão é a de energia elétrica, já que inúmeros rabichos foram feitos por quem ocupou a estrutura. Mas poderemos revolver isso em um curto período de tempo. A barragem é muito grande e se a gente precisar operar, temos tempo para tomar a decisão. Como o funcionamento dela é hidráulico e mecânico, dificilmente teremos problemas graves. Fizemos uma boa manutenção há dois anos, e com a presença dos técnicos conseguiremos operar em poucas horas, já que teremos a previsão previamente. Na hora que tivermos a informação meteorológica de que teremos que operá-la, iremos fazer, nem que seja necessário levar o Exército para o local. Respeito o litígio dos índios até o momento que, por força maior, tivermos que tirá-los de lá para operar.

Agência RBS: O funcionamento das barragens de Taió e Ituporanga, que passam por ampliação, também está garantido?
Hobus: Independentemente da conclusão das obras ocorrer no fim do ano, as duas estruturas operam normalmente em qualquer condição, com a vantagem de a barragem de Ituporanga já ter o acréscimo de volume de 93 para 110 metros cúbicos, protegendo as cidades do Vale do Itajaí.

Agência RBS: A estrutura da Defesa Civil no Estado está adequada para enfrentar o El Niño?
Hobus: Teve uma evolução fantástica. Formamos o primeiro conselho dos municípios da Amerios (no Oeste) e quando algum desastre ocorrer, eles podem se ajudar entre si e a Defesa Civil vai arcar com essas despesas. Esta filosofia de ajuda mútua na hora do desastre ajuda na resposta e restabelecimento imediato das cidades. Queremos multiplicar isso em todas as associações de municípios do Estado. As cidades também estão se organizando e criando os próprios planos de contingência. Quando finalizarmos o sistema de alarme e alerta do Estado, todos os 295 municípios terão os planos e essas informações estarão em uma plataforma que serão atualizadas em tempo real. No ano que vem, quando a maioria das obras e o sistema estiverem prontos, a Defesa Civil passará por um novo momento. 

Agência RBS: E como está o funcionamento do radar de Lontras?
Hobus: Operando 100% normal. Alertas estão sendo feitos nas últimas semanas com base nas informações do radar. Ele é um instrumento fundamental a curto prazo e para orientação preventiva. Como ele não cobre todo o Estado, queremos implantar um radar na região de Chapecó para ter uma cobertura de 97% do território catarinense. Tive uma reunião com o governador Raimundo Colombo e ele autorizou fazer o processo de licitação da construção da torre e da compra do radar no próximo mês. Ele será estratégico para pegar todas as frentes do Conesul. Queremos que ele esteja em funcionamento até o fim do ano que vem.

Veja dicas de prevenção e saiba como agir em casos de enxurradas
Iminência do El Niño põe à prova os sistemas de prevenção no Estado

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história