Perícia confirma que incêndio em veículos em frente à delegacia de Balneário foi criminoso Marcos Porto/Agencia RBS

Peritos do IGP estiveram nesta quarta-feira no local

Foto: Marcos Porto / Agencia RBS

Peritos do Instituto Geral de Perícias (IGP) fizeram nesta quarta-feira à tarde a perícia dos veículos incendiados em Balneário Camboriú. Um caminhão e três automóveis que haviam sido apreendidos foram alvo de um ataque durante a noite de terça-feira quase em frente à delegacia de polícia, na Rua Inglaterra. A avaliação inicial comprovou que o incêndio foi criminoso.

Polícia afirma que atentado em Balneário Camboriú foi retaliação 
"O que deve motivar reação do Estado não é atentado, mas estatística", diz delegado


Conforme o perito James Josué Batista, o fogo começou no tanque de combustível, localizado embaixo da cabine do caminhão. Na sequência, o taque teria rompido e espalhado diesel em chamas pelo meio fio, incendiando os outros três automóveis.

— Temos certeza que foi algo externo, pois o diesel só pega fogo acima de 70 ºC — explica o perito.

A ação ocorreu por volta de 23h. Conforme a Polícia Civil, um homem, vestido de preto, arremessou coquetel molotov contra um caminhão Scania. O fogo se alastrou por outros três carros — dois Corsa e uma Range Rover Evoque.

A delegacia não tem espaço para manter os veículos apreendidos em local adequados, por isso eles ficam estacionados na rua. Caso os proprietários acionem o Estado na Justiça, o atentado pode causar prejuízo de R$ 250 mil aos cofres públicos (considerando apenas o valor dos veículos). O incêndio também danificou a fiação de internet e telefone.

Investigação

A Divisão de Investigações Criminais (DIC) já começou a apurar o caso. De acordo com o delegado Rodolfo Farah, duas linhas de investigação estão sendo seguidas, mas por enquanto as informações apontam uma pessoa como a responsável pelo ataque. A principal hipótese para esclarecer o atentado é retaliação. Bandidos estariam reagindo à prisão de uma quadrilha de arrombadores de caixas eletrônicos, à prisão de um membro do alto comando da facção criminosa PGC e, na terça-feira, à prisão de suspeitos de tráfico de drogas feita pela Divisão Estadual de Investigações Criminais (Deic).

— O que nos intriga e causa estranheza foi o atentado ter ocorrido contra a delegacia de Balneário. Tudo isso está sendo investigado — diz Farah, sem revelar mais detalhes.

Há cerca de um mês criminosos cometeram outro atentado contra a delegacia do Monte Alegre, em Camboriú. O caso foi investigado pela DIC, que conseguiu prender — em conjunto com a delegacia do município — dois suspeitos do ataque há pouco mais de uma semana. No entanto, a participação de mais pessoas continua sendo investigada.
O SOL DIÁRIO
 Veja também
 
 Comente essa história