Polícia Federal investiga autoria do quebra-quebra na agência do INSS, em Biguaçu na Grande Florianópolis Betina Humeres/Agencia RBS

A limpeza do local foi feita nesta terça-feira

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Na manhã desta terça-feira homens colocavam tapumes na agência do Instituto Nacional de Seguridade Social de Biguaçu, na Grande Florianópolis. Estilhaços de vidro estavam por toda a entrada.

Na segunda-feira, após um momento de fúria, um homem quebrou a porta com uma chave de rodas. Os servidores do INSS estão em greve desde o início de julho em Santa Catarina. A paralisação nacional já completou 71° dias nesta terça-feira e não tem previsão para acabar.



A Polícia Federal vai investigar a autoria do homem que fugiu do local e ainda não foi identificado. O Boletim de Ocorrência foi registrado na tarde de ontem na Delegacia de Biguaçu e encaminhado nesta terça-feira para a PF, por ser um dano causado ao Instituto Nacional de Seguridade Social. Ainda na noite de ontem, peritos da PF estiveram no local para averiguar os estragos.

Segundo as informações registradas no Boletim de Ocorrência um homem de aproximadamente 40 anos tinha um horário de atendimento agendado e após constatar que a agência estava fechada, devido a greve dos servidores, usou a peça contra a porta de vidro. A agência estava fechada e ninguém se feriu.

O homem conseguiu fugir do local. A Polícia Militar também foi acionada para constatar se foram gravadas imagens pela câmeras de segurança da cidade, mas até o início desta tarde nada foi encontrado.

Em 2011 um caso semelhante ocorreu também na agência do INSS de Palhoça. Na época a mulher de 31 anos se descontrolou depois que foi informada que seu pedido de benefício seria recusado. Revoltada, quebrou vários objetos do local.

Os servidores do INSS estão em greve desde o início de julho em Santa Catarina. A paralisação nacional já chegou ao 70° dia nesta segunda-feira e tem a adesão de pelo menos 14 outros estados, entre eles São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Segundo o Comando Nacional de Greve da Fenasps (CNGF) não há data para acabar.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história