Polícia prende quatro pessoas que furtavam roupas em lojas de Florianópolis Polícia Civil/Divulgação

Segundo o delegado Godoi, a peça mais barata furtada custava R$ 500

Foto: Polícia Civil / Divulgação

A 1ª Delegacia da Capital prendeu na manhã desta quarta-feira, 16, quatro pessoas que furtavam roupas em lojas de rua e de shoppings em Florianópolis. A Polícia Civil também recuperou mais R$ 70 mil em peças de marca, que estavam na casa da família, no bairro Monte Verde. Todos os integrantes tinham passagem por crimes contra o patrimônio: roubo e furto.

Leia as últimas notícias de Polícia

Segundo informações repassadas pela Polícia, os irmãos Diego Agostinho, 20, e Greyce Kelly Agostinho, 22, praticavam os furtos juntos durante o dia. Eles tiravam as etiquetas eletrônicas das roupas com um alicate.

Foram dois meses de investigação e, conforme a Polícia, há indícios de que a dupla de irmãos já praticava os furtos há quatro meses e revendia as peças pela internet com preços inferiores daqueles praticados nas lojas. As câmeras de monitoramento auxiliaram a identificá-los.

— Auxiliamos a retirada de uma quadrilha das ruas. Estávamos identificando muitos boletins de ocorrência por furto no Centro de Florianópolis. Filmagens identificaram repetições das pessoas. Nas redes sociais, vimos essas pessoas dos vídeos usando as roupas. Então conseguimos que a Justiça concedesse mandado de prisão preventiva para os dois irmãos, o que é bem difícil nesses casos — analisa o delegado de Polícia Civil Antônio Lúcio Antunes Godoi, que também cumpriu mandados de busca e apreensão.

Durante as buscas, o material furtado foi encontrado no quarto dos pais dos investigados: Claudia Agostinho, 37, e Roberto Faria, 34, que prestaram depoimento e foram presos em flagrante por receptação. Na segunda-feira, 21, o delegado também vai ouvir os irmãos.

A Polícia Civil está fazendo uma triagem das peças de roupa para identificar a origem e devolver às lojas a fim de minimizar os prejuízos. Segundo Godoi, a peça mais barata furtada custava R$ 500.

HORA DE SANTA CATARINA
 Veja também
 
 Comente essa história