Soldado que matou o surfista Ricardinho continuará detido em batalhão da PM em Joinville Reprodução/Redes Sociais

Soldado Luís Paulo Mota Brentano está preso em Joinville.

Foto: Reprodução / Redes Sociais

O soldado Luis Paulo Mota Brentano, denunciado pela morte do surfista Ricardinho na Grande Florianópolis, terá o direito de permanecer detido no 8º Batalhão da Polícia Militar em Joinville mesmo quando for definitivamente desligado da corporação.

A permanência dele no batalhão foi garantida em julgamento do Tribunal de Justiça na manhã desta quinta-feira. Um grupo de desembargadores avaliou o pedido de habeas corpus ajuizado pela defesa do soldado, que pedia ao menos a continuidade dele no 8º BPM caso a Justiça não autorizasse sua liberdade temporária.

A principal argumentação da defesa era a de que Mota correria riscos caso fosse transferido para uma prisão comum, além de que ele tem formação superior em direito. Como o TJ-SC foi favorável ao pedido, o soldado continuará no batalhão militar por tempo indeterminado.

Ele responde a um Processo Administrativo Disciplinar e deve ser exonerado da polícia nos próximos dias.

"Reação tem que ser moderada; não foi o que ocorreu", diz delegado
Após reconstituição, versão sobre legítima defesa enfraquece
Saiba tudo sobre a morte do surfista Ricardo dos Santos
Policial que atirou no surfista Ricardinho se manifesta publicamente


Homenagens






O campeão mundial de surfe, Gabriel Medina, não esteve na Guarda do Embaú, mas homenageou o amigo fazendo um círculo de oração por Ricardo dos Santos. Ele publicou a foto no Instagram:

Homenagem ao Ricardinho!!! O ceu ganhou mais um anjo, tenho certeza que a cada remada vc vai estar com a gnt!!!

Uma foto publicada por Gabriel Medina (@gabrielmedina) em

 

A NOTÍCIA
 Veja também
 
 Comente essa história