Transferências por promoção forçam quatro mudanças em delegacias de Joinville Salmo Duarte/Agencia RBS

Divisão de Homicídios, no prédio da investigação, terá novo delegado

Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS

Uma dança das cadeiras entre delegados da Polícia Civil no Estado também resultou em movimentações nas delegacias de Joinville. Promovidos por merecimento e antiguidade, os delegados Paulo Reis, Isaías Cordeiro, Fábio Estuqui e Douglas de Cinque deixam Joinville para assumir delegacias em cidades menores.

Leia mais notícias de Joinville e região

Como as transferências ocorrem por processos de promoção e não por planejamento, existia o risco de que o efetivo desses profissionais na cidade ficasse reduzido após as quatro saídas. Mas a chegada de três delegados substitutos e de outro delegado transferido por promoção mantiveram o quadro atual, de 18 delegados.

—Havia a preocupação de ficarmos em número menor, mas o mais importante é que todos foram substituídos — diz o delegado regional de Joinville, Dirceu Silveira Júnior.

Entre os novos, o nome mais reconhecido é o de Alfredo José Ballstaedt, policial civil há mais de duas décadas e que até o ano passado ocupava o cargo de diretor da Coordenadoria de Operações Policiais Especiais (Cope) em Florianópolis. Também da Capital chega João Fleury Castilho, ligado à Diretoria de Investigações Criminais (Deic).

Duas mulheres completam as reposições: Georgia Bastos deixa a delegacia de Seara e Lívia Marques da Motta se despede da DP de Barra Velha. Os novos delegados não vão, necessariamente, assumir as funções dos profissionais transferidos.

Por ter sido titular da Divisão de Homicídios em Joinville e ter liderado a investigação de casos como o assassinato da jovem Mara Tayana Decker, o delegado Paulo Reis passou a ser um dos rostos mais conhecidos da Polícia Civil joinvilense. Ainda não há certeza sobre quem ocupará a vaga deixada por ele e pelos demais delegados.

—Vamos avaliar o perfil dos profissionais e decidir — explica Dirceu.

A NOTÍCIA
 Veja também
 
 Comente essa história