Werner Voigt se despede de sócio em Jaraguá do Sul. Expediente na WEG está mantido nesta segunda-feira Maykon Lammerhirt/Agencia RBS

O empresário Werner Voitg se despediu do sócio emocionado e em silêncio

Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

O empresário Werner Ricardo Voigt, de 84 anos, acompanhou emocionado e em silêncio a toda a cerimônia de despedida do sócio Eggon João da Silva, na tarde deste domingo, em Jaraguá do Sul. Centenas de pessoas foram ao Cemitério Municipal da cidade para dar o último adeus a um dos três fundadores da indústria de motores WEG. O empresário morreu na madrugada deste domingo.

Geraldo Werninghaus, que também fundou a empresa, morreu vítima de um acidente de trânsito em 1999.

Expediente está mantido nesta segunda-feira

Apesar da tristeza, a empresa começa a semana com expediente normal. Décio da Silva, filho de Eggon, também confirmou presença na Associação Empresarial de Joinville (Acij) nesta segunda, para falar sobre a empresa.

— Ele nos deixa um legado muito importante, e agora cada um de nós fica com um pedacinho dele — comentou, emocionado, o filho Décio da Silva.

Eggon da Silva deixa a mulher Laura Augusta da Silva, cinco filhos — entre eles, Décio da Silva, que hoje preside o Conselho de Administração da WEG — e netos.

Raimundo Colombo lamenta morte de Eggon da Silva
Presidente da Fiesc ressalta legado de um dos fundadores da Weg

O empresário, que nasceu em 17 de outubro de 1929 no que é hoje o município de Schröeder, Norte de Santa Catarina, fundou em 1961 a Weg, juntamente com Werner Ricardo Voigt e Geraldo Werninghaus. Desde 2014, eles aparecem na lista de bilionários da Forbes. Juntos, o trio Werner Voigt, Eggon da Silva e Diether Werninghaus acumula, segundo a publicação, a soma de R$ 20,32 bilhões. Atualmente, Décio da Silva, filho mais velho de Eggon da Silva, é o presidente do Conselho de Administração da empresa.

Confira como é a fábrica da Weg
Saiba as razões de sucesso da gigante em motores elétricos

Uma das frases mais destacadas de Eggon da Silva é: "Quando faltam máquinas, você as pode comprar; se não tiver dinheiro, pode pegar emprestado; mas homens você não pode comprar ou pedir emprestado, e homens motivados são a base do êxito". Em 2009, foi lançado um livro sobre a trajetória do empresário, Eggon João da Silva - Ideias e Caminhos: Trajetória de um dos fundadores da Weg, de Sônia Diegues e Léo Bruno.

Em nota oficial, a Weg lamenta a morte do fundador e diz que ele foi um "administrador autodidata, com visão de longo prazo e extrema capacidade de planejamento estratégico e que deixou seu legado na indústria brasileira e mundial, contribuindo para criar uma cultura empresarial forte, cunhada na valorização das pessoas, na eficiência e produtividade".

Trajetória profissional

Eggon João da Silva começou a trabalhar cedo, aos 13 anos, em um cartório de Jaraguá do Sul. Em 1957, depois de 14 anos no principal banco do Estado, torna-se sócio da João Wiest & Cia. Ltda., uma firma especializada na produção de canos de escape para veículos, então com 8 funcionários. Quatro anos depois, Eggon deixa a empresa para enfrentar o maior desafio de sua carreira. .Em abril de 1961, juntamente com Werner Ricardo Voigt e Geraldo Werninghaus, funda a WEG, que na época produzia apenas motores elétricos. Até 1989, Eggon exerceu o cargo de Diretor Presidente da empresa, levando-a a figurar entre as maiores do setor, com participação destacada no mercado nacional e internacional. De 1989 a 2004, foi presidente do Conselho de Administração da Weg. O empresário também fez parte dos conselhos de quatro grandes empresas - Oxford, Tigre, Marisol, e Perdigão, tendo nesta última, inclusive, exercido a função de diretor presidente entre 1994 e 1995.

A NOTÍCIA
 Veja também
 
 Comente essa história