Avell, de Joinville, lidera ranking de crescimento de pequenas e médias empresas em Santa Catarina Claudia Baartsch/Especial

Salto de 148% na receita líquida no período colocou a empresa na 30ª posição entre as que mais avançaram no País

Foto: Claudia Baartsch / Especial

A Avell, de Joinville, foi a companhia que mais cresceu de 2012 a 2014 entre as pequenas e médias empresas de Santa Catarina. O salto de 148% na receita líquida no período a colocou na 30ª posição entre as que mais avançaram no País.

O ranking Pequenas e Médias Empresas (PMEs) que Mais Crescem no Brasil 2015, divulgado pela consultoria Deloitte/Revista Exame, traz as 200 mais bem colocadas.
Quinze empresas catarinenses, de diferentes segmentos de atuação, aparecem na lista.

Leia mais reportagens do Negócios & Cia no AN.com.br

Em Joinville, além da Avell, a Ambientec (80º) e a Selbetti (155º) figuram entre as 200 PMEs mais bem-sucedidas. A Avell se destaca no Estado porque há muitos anos soube identificar os sinais do mercado e os transformou em oportunidade. Atualmente, o negócio se baseia na comercialização de notebooks de alto desempenho para games e softwares profissionais, mas não foi sempre assim.

Em 1997, quando abriu as portas no Centro de Joinville, a Avell chamava-se Notebook Century e comercializava equipamentos multimarca para uso geral. O fundador e diretor administrativo, Emerson Salomão, explica que, apesar de estar indo bem, a empresa percebeu o avanço dos grandes varejistas no segmento e viu que seria impossível competir com eles.



O outro sinal veio de dentro de casa. Os funcionários conversavam bastante entre si sobre jogos e equipamentos, e não havia no mercado nacional um grande fornecedor especializado para este público, explica Salomão.

Em 2004, surgia a marca Avell, e a estratégia foi simples: uma máquina por vez. O desenvolvimento voltado para o alto desempenho ganhou espaço aos poucos, de modo que a companhia não precisou recorrer a recursos de terceiros para impulsioná-lo. A medida foi vital para o negócio.

Logo os sinais se confirmaram. Os grandes varejistas dominaram as vendas multimarca e a empresa se voltou cada vez mais para o desenvolvimento da Avell.

Em 2012, a empresa abandonou a marca Notebook Century (que ficou com um ex-funcionário e dedicada à assistência técnica multimarca). Para ganhar visibilidade e credibilidade em um mercado bastante exigente, a Avell adotou algumas estratégias que se mostraram bem-sucedidas, como a garantia de três anos para hardware, o uso de componentes reconhecidos pela qualidade e de marcas tradicionais, isenção no valor de frete, retorno do técnico da assistência técnica em 24 horas e possibilidade de customização da tela, placa de vídeo e da cor do equipamento.

Hoje, somente 20% das vendas ocorrem na loja física. O forte são as vendas pela internet. Ainda assim, a Avell tem filiais em Florianópolis e Curitiba e, na metade deste ano, abriu uma unidade nos Estados Unidos para ficar ainda mais perto de onde as coisas acontecem. No futuro, a intenção é expandir para a América Latina.

Apesar do crescimento expressivo nos últimos anos, que a fez sair de um faturamento líquido de R$ 12,2 milhões em 2012 para R$ 30,4 milhões em 2014, a Avell não está imune à crise. A projeção era de crescer 50% em 2015, mas os cálculos já foram revistos para cerca de 10%, diz Salomão.

O mundo dos gamers

Os apaixonados por jogos de computador respondem por 60% das vendas da Avell, enquanto que o percentual restante vem de profissionais como arquitetos e designers. Isto não significa que a clientela seja dominada por adolescentes. A faixa etária se posiciona entre 17 e 40 anos. 

O diretor Emerson Salomão afirma que há muitos jogos voltados para o público adulto bem elaborados, exigindo desempenho superior do equipamento. Para quem só pensa em performance, a opção mais robusta, com duas placas de vídeo GTX 980, 32 megabytes de memória e 2 SSD de 1 terabyte, pode custar cerca de R$ 25 mil, e há compradores, garante Salomão.

Segundo ele, o mercado de games movimenta mais de US$ 70 bilhões em todo o mundo. O Brasil é o principal mercado da América Latina. Pesquisa divulgada neste ano revela que o brasileiro continua multiplataforma, pois 78,6% jogam em mais de um dispositivo. O mais popular é o smartphone, que desbancou o computador, líder no estudo feito em 2013.

A mobilidade do smartphone é o fator determinante nessa liderança, já que 80% do uso para jogos acontecem em deslocamentos no trânsito. Outra mudança de 2013 para 2015 foi o crescimento do número de mulheres adeptas dos jogos eletrônicos, que passou de 41% para 47% dos entrevistados.

Já a participação masculina caiu de 59% para 52,9%, segundo a Pesquisa Game Brasil 2015. A consulta online com 909 participantes, de 14 a 84 anos, foi realizada em janeiro.

Pesquisa avalia alguns critérios

A 10ª edição do ranking Pequenas e Médias Empresas (PMEs) que Mais Crescem no Brasil 2015 foi realizada nos meses de junho e julho deste ano por meio de um questionário disponível no website da consultoria Deloitte.

Entre as 299 empresas que se inscreveram para a pesquisa, 200 foram classificadas no grupo de maior crescimento nos últimos três anos completos _ entre 2012 e 2014.
Além do ranking, o estudo revela as práticas adotadas pelas empresas que foram determinantes para o seu processo de crescimento. A inovação é uma dessas práticas.

— Por meio de práticas de inovação, muitas empresas puderam revisitar seus processos para ofertar seu serviço ou produto de forma diferenciada no mercado. A inovação também permitiu que muitas empresas driblassem o custo Brasil, traduzido na prática em aspectos como falta de infraestrutura adequada, baixa capacitação da mão de obra e um sistema legal e tributário carente de modernização — explicam os pesquisadores no estudo.

Muitas empresas também promoveram ações de qualificação e atualização de suas estruturas. Boa parte das empresas presentes no ranking registrou ganho de produtividade e aumentou a liquidez.

A NOTÍCIA
 Veja também
 
 Comente essa história