A balança comercial registrou superávit de US$ 1,028 bilhão nas duas primeiras semanas de outubro, resultado de exportações no valor de US$ 5,589 bilhões e importações de US$ 4,561 bilhões.

Na primeira semana (1 a 4 de outubro), que teve apenas dois dias úteis, o saldo foi positivo em US$ 356 milhões, com exportações que somaram US$ 1,459 bilhão e importações de US$ 1,103 bilhões. Na segunda semana (5 a 11 de outubro), foi registrado superávit de US$ 672 milhões, com exportações de US$ 4,129 bilhões e importações de US$ 3,458 bilhões.

Dólar opera em alta e é cotado acima de R$ 3,85
Projeções do mercado para o PIB e a inflação pioram, aponta Banco Central

No ano, a balança comercial brasileira tem saldo de US$ 11,276 bilhões. As exportações somam US$ 150,085 bilhões e, as importações, US$ 138,809 bilhões.

O saldo positivo de US$ 1,028 bilhão é resultado de um leve aumento nas exportações em relação ao ano passado e, principalmente, de uma queda nas importações, ocasionada pelo arrefecimento da atividade econômica e pelo dólar mais caro.

De acordo com os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), nas exportações, pela média diária, houve crescimento de 0,2% nas duas primeiras semanas de outubro (média de US$ 798,4 milhões) em relação a outubro de 2014 (média de US$ 796,9 milhões).

Saída de dólares do país supera entradas em US$ 111 milhões em setembro
Projeção de desempenho da economia tem 12ª piora seguida

Houve aumento de 8,2% nas vendas de produtos básicos (de US$ 354,0 milhões para US$ 383,1 milhões, por conta de soja em grão, minério de cobre, milho em grãos, petróleo, fumo em folhas e pimenta em grão).

Já as vendas dos produtos semimanufaturados caíram 9,6% (de US$ 121,9 milhões para US$ 110,2 milhões, refletindo quedas em ferro fundido, madeiras em estilhas, borracha sintética, açúcar em bruto, óleo de soja em bruto, couros e peles, ceras vegetais, semimanufaturados de ferro/aço e ferro-ligas).

As exportações de manufaturados recuaram 3,4% (de US$ 297,7 milhões para US$ 287,4 milhões, por conta de açúcar refinado, laminados planos de ferro ou aço, óleos combustíveis, bombas e compressores, pneumáticos, motores e geradores elétricos, máquinas para terraplenagem, motores para veículos automóveis, medicamentos e autopeças.

Marta Sfredo: mercado valoriza reforma de Dilma
Taxa de juros em empréstimos é a maior desde junho de 2009, diz Anefac

Em relação a setembro deste ano, houve alta nas exportações de produtos básicos (12,3%) e semimanufaturados (1,6%). Já as vendas de manufaturados caíram 4,7%.

Importações

Nas importações houve queda de 23,2% na média diária até a segunda semana de outubro (de US$ 848,2 milhões para US$ 651,6 milhões). De acordo com o MDIC, foram registrados recuos principalmente nas compras de aeronaves e peças (-66,9%), algodão (-61,6%), papel e obras (-47,4%), filamentos e fibras sintéticas artificiais (-42,2%), siderúrgicos (-38,9%), equipamentos elétricos e eletrônicos (-35,6%), borracha e obras (-34,1%), combustíveis e lubrificantes (-33,8%) e automóveis e partes (-28,9%). Em relação a setembro deste ano, houve alta de 3,6% nas importações.

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história