Campanha contra aumento de impostos leva patos à Esplanada ANDRÉ DUSEK/AGENCIA ESTADO

Réplicas menores foram atiradas no espelho d'água do Congresso no fim da manhã

Foto: ANDRÉ DUSEK / AGENCIA ESTADO

Manifestantes colocaram nesta quinta, em frente ao Congresso Nacional, na Esplanada dos Ministérios, um pato inflável amarelo de 12 metros de altura. A ação faz parte da campanha contra o aumento de impostos "Não vou pagar o pato", promovida pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Além do pato gigante, dezenas de réplicas menores foram atiradas no espelho d'água do Congresso no fim da manhã.

Alta do dólar e do ICMS: prepare a carteira para os próximos meses
Barbosa diz que proposta da CPMF é "plano A, B, C e D"

— Essa é uma manifestação da sociedade brasileira contra o aumento de impostos. Se resolvesse o problema do Brasil aumentar impostos, o Brasil não teria problema nenhum, porque a arrecadação de impostos neste ano será de R$ 2 trilhões. É muito dinheiro. O problema do Brasil é o governo brasileiro, é o tamanho do governo brasileiro, são os gastos malfeitos, a falta de eficiência — criticou o presidente da Fiesp, Paulo Skaf.


José Cruz/Agência Brasil

Segundo Skaf, o objetivo é mostrar ao governo que todos estão a favor do ajuste fiscal, mas que isso deve ser feito por meio da redução de despesas, de desperdícios, de maus gastos, e não por meio de aumento de impostos.

— Nós não vamos aceitar a recriação da CPMF nem a recriação ou criação de imposto que venha pesar mais ainda nas costas do povo brasileiro. Nós mostramos por meio dessa campanha o quanto de imposto tem nos produtos — disse.

Contas do Governo Central tem maior déficit de janeiro a agosto em 19 anos
Sessão do Congresso para apreciação de vetos é adiada para próxima terça-feira

Na semana passada, começou a tramitar no Congresso a proposta de emenda à Constituição (PEC) 140/2015, de autoria do Poder Executivo, que trata da criação da nova Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), com alíquota de 0,20%. A medida faz parte do pacote fiscal que busca reequilibrar as contas públicas. Os recursos arrecadados com a CPMF serão usados para financiar a Previdência Social.

Na internet, organizadores da campanha "Não vou pagar o pato" já recolheram mais de 300 mil assinaturas. O objetivo é atingir mais de 1 milhão de assinaturas que serão encaminhadas ao Congresso. A campanha é uma iniciativa da Frente Nacional contra o Aumento de Impostos e, segundo a Fiesp, tem a participação de mais de 160 entidades de diversos setores.

Cunha cancela viagem à Itália após denúncias de banco suíço
Senado endurece regras para evitar tragédias como a da boate Kiss

Os patos pequenos já foram retirados do espelho d'água, e o pato gigante ficará inflado em frente ao Congresso até o final do dia.


*Agência Brasil

 Veja também
 
 Comente essa história