O deputado Jorginho Mello (PR) é suplente no Conselho de Ética da Câmara, mas está pronto para assumir a linha de frente dos trabalhos durante análise dos processos contra Eduardo Cunha. Pressionados, parlamentares estão pensando em desistir da titularidade. No monitoramento do presidente da Câmara, o voto de Jorginho não está na coluna dos aliados.

Para não ficar na promessa

Depois da visita da presidente Dilma ao Estado, o secretário de Articulação Nacional, Acélio Casagrande, assume a partir de hoje a missão de acompanhar de perto os trâmites dos projetos dos municípios junto ao Ministério da Integração. Se os técnicos reclamarem de falta de documentação ou informação, o secretário está pronto para entrar em campo. Em especial os recursos para recuperação de pontes ou prédios públicos costumam demorar a sair e a desculpa é sempre a mesma: projetos incompletos. O impasse, alimentado pela burocracia, tem como pano de fundo a falta de recursos federais.

Nova denúncia (amarelinho)

A Procuradoria Geral da República se prepara para apresentar ao STF segunda denúncia contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Esse pedido diz respeito às investigações envolvendo as contas no Exterior. Ainda falta a conclusão de algumas diligências. Cunha se segura no cargo, mas o palanque balança.

Precisa de madrinha

Apesar da liberação dos R$ 6 milhões, permitindo a retomada das obras da ponte de Ilhota nos próximos dias, ainda faltarão R$ 8 milhões para a conclusão dos trabalhos. Como o DNIT continua com o orçamento apertado, o ideal é que o projeto entre no seleto grupo das obras acompanhadas de perto pelo Palácio do Planalto.

Turbulência

O governador Raimundo Colombo e equipe passaram por um baita susto na viagem de Florianópolis para Brasília, na última semana. O avião oficial enfrentou turbulência de arrepiar pilotos experientes e de tirar a voz das autoridades. Antes de saírem da capital federal, foram feitos testes na aeronave.
DIÁRIO CATARINENSE
 DC Recomenda
 
 Comente essa história