Mais três cidades entraram para a lista de afetadas pelas chuvas e ventos que atingem Santa Catarina desde o dia 8 de outubro. Na terça-feira, São Cristóvão do Sul, Quilombo e São Bernardino registraram danos pelo forte vendaval e tiveram casas destelhadas e queda de árvores. De acordo com a Defesa Civil, o número de municípios atingidos já chega a 61.

Na cidade de Novo Horizonte, também no Oeste, os ventos chegaram a 124km/h na noite desta terça-feira, segundo a Defesa Civil. Os danos ainda não foram fechados.

A cidade de Quilombo foi a mais afetada por este último vendaval, com 50 casas destelhadas e 200 pessoas atingidas. Já em São Cristóvão, 120 pessoas foram afetadas e 30 casas e uma igreja destelhadas. Em São Bernardino, mais uma igreja foi afetada pelos ventos fortes.

Quarta-feira é de temporal e chance de granizo em SC

Também foram registradas quedas de árvores e destelhamentos em São Domingos, São Lourenço do Oeste, Galvão, Faxinal dos Guedes, Ponte Serrada, Ipumirim, Xavantina e Jupiá. Essas cidades, no entanto, ainda não entraram no relatório oficial.

Durante a manhã, cerca de 13 mil unidades consumidoras ficaram sem luz, segundo a Celesc. Às 8h45min desta quarta-feira eram pouco mais de 4 mil sem abastecimento de energia elétrica.

Oeste tem maior acumulado de chuva

Uma massa de ar quente e úmido trouxe acumulados de chuva expressivos mais uma vez para Santa Catarina. De terça para quarta-feira, Concórdia registrou um acumulado de 61mm enquanto Galvão teve 59mm e Curitibanos 48mm.

A previsão é de a chuva continue nos próximos dias no Estado. De acordo com a Epagri/Ciram os acumulados previstos variam em média entre 35 e 75 milímetros. Podendo chegar de 110 a 170 milímetros na Grande Florianópolis, de 100 a 150 milímetros na Serra, Litoral Sul, Meio Oeste e Planalto Norte e de 80 a 135 milímetros no Vale do Itajaí e Litoral Norte.

Por conta das chuvas dos últimos dias, que já elevaram os níveis dos rios, o alerta da Defesa Civil é para possíveis inundações.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história