Collor pressionou por compra de R$ 1 bilhão na BR Distribuidora, acusa delator Cristiano Mariz/Especial

Foto: Cristiano Mariz / Especial

O lobista Fernando Baiano, apontado como operador de propinas do PMDB pela Operação Lava-Jato, afirmou que, em 2012, o então diretor financeiro da BR Distribuidora Nestor Cerveró (que havia sido diretor da área Internacional da Petrobras) comentou com ele sobre uma suposta pressão feita pelo senador Fernando Collor (PTB-AL) na subsidiária da estatal petrolífera.

Segundo Baiano, Cerveró falou sobre "negociações envolvendo políticos, em que o tom, o contexto e as circunstâncias sugeriam tratar-se de negócios ilícitos".

Delator diz que pediu ajuda a amigo de Lula por sua relação com Palocci
CPI da Petrobras retoma discussão sobre parecer final nesta tarde

— Se recorda de Nestor Cerveró ter comentado sobre uma negociação em que o senador Fernando Collor estaria pressionando para a BR Distribuidora adquirir uma quantidade enorme de álcool de uma safra futura, perante usinas indicadas pelo parlamentar, o que pareceu estranho ao depoente e a Nestor Cerveró, até mesmo pelo valor, que girava em torno de R$ 1 bilhão — afirmou Baiano.

Cinco depoimentos de Fernando Baiano foram tornados públicos nesta quarta-feira, nos autos da Lava-Jato. Collor já foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República por corrupção e lavagem de dinheiro. As investigações indicam que o ex-presidente recebeu R$ 26 milhões em propina entre 2010 e 2014 por um contrato de troca de bandeira de postos de combustível assinado pela BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras, e por outros contratos da estatal com a UTC Engenharia, outro alvo da Lava-Jato.

Defesa pede ao STF liberdade a Marcelo Odebrecht e fala em "socorro"
Com boneco de Lula, manifestantes pedem a saída de Dilma na Capital

A denúncia contra Collor detalha o esquema de lavagem de dinheiro usado pelo senador, com a compra de carros de luxo, além de delações que apontam entrega de dinheiro em mãos ao político.

Subordinado do doleiro Alberto Youssef, peça central da Lava-Jato, Rafael Ángulo relatou ter dado pessoalmente R$ 60 mil a Collor em um apartamento do parlamentar. A Polícia Federal também obteve a confirmação de oito comprovantes de depósito em nome do senador, mencionados em delação por Youssef. O doleiro disse ter feito "vários depósitos" a Collor, no valor de R$ 50 mil.

Mais um executivo da Odebrecht é solto pela Justiça
Justiça decreta nova prisão preventiva de Marcelo Odebrecht

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história