Localizado na ilha de Hispaniola, que partilha com a República Dominicana, o Haiti, que realiza no domingo eleições gerais, é um dos países mais pobres do mundo e o mais pobre das Américas, duramente atingido pela instabilidade política e um terremoto devastador em 2010.

NÚMEROS DAS ELEIÇÕES

Cerca de 5,8 milhões de eleitores inscritos (para uma população estimada em 10,3 milhões de habitantes) são chamados a votar no primeiro turno da eleição presidencial em que 54 candidatos se apresentaram.

Oito deputados e dois senadores foram eleitos no primeiro turno em 9 de agosto, enquanto 111 postos de deputados e 18 de senadores ainda devem ser preenchidos.

A nível municipal, 142 prefeitos serão eleitos após uma única rodada de votação.

As 13.725 assembleias de voto espalhadas por dez departamentos do país estarão abertas no domingo de 6h00 às 16h00.

INSTABILIDADE POLÍTICA CRÔNICA

Sob o domínio espanhol até 1697, depois francês, o Haiti se tornou a primeira república negra independente em 1804 depois de uma revolta de escravos liderada por Toussaint Louverture.

Desde a proclamação da independência, a história do Haiti tem sido marcada por uma sucessão de ditaduras, intercaladas com algumas alternâncias democráticos e ocupações estrangeiras.

De 1957 a 1986, o François Duvalier (conhecido como "Papa Doc"), e depois seu filho Jean-Claude ("Baby Doc"), submeteu a população a um controle total de seu esquadrão da morte, "Tontons Macoutes".

Derrubado em uma revolta popular em 1986, "Baby Doc" permaneceu no exílio na França por 25 anos antes de retornar ao Haiti, onde morreu em 2014.

Em 1990, o padre Jean-Bertrand Aristide foi eleito durante a primeira eleição livre no país. Em 1991, ele foi derrubado por um golpe e foi para o exílio. Ele voltou ao Haiti em 1994, após uma intervenção dos Estados Unidos.

Um de seus próximos, René Préval, assumiu a presidência em 1996. Aristide voltou à presidência em 2001. Sob pressão dos Estados Unidos, França e Canadá, uma insurgência armada e uma revolta popular, ele renunciou em 2004 e partiu para o exílio. Preval voltou ao poder em 2006, e Michel Martelly, um ex-cantor, o sucedeu em 2011.

Uma Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) ajuda o país desde 2004.

UM DOS PAÍSES MAIS POBRES DO MUNDO

O Haiti é o país mais pobre das Américas e um dos mais pobres do mundo (168º de 187 países no Índice de Desenvolvimento Humano).

Depois de uma contração de 5,3% do PIB em 2010 devido ao terremoto, o Haiti registrou de 2011 a 2014 uma taxa de crescimento médio real de 3,8%, insuficiente para reduzir a pobreza de acordo com o Banco Mundial.

Quase 60% dos 10,5 milhões de haitianos vivem abaixo da linha da pobreza (2,44 dólares por dia) e 24% na extrema pobreza (1,24 dólar por dia).

A expectativa de vida ao nascer é de 63 anos. A taxa de mortalidade infantil (71 por mil) caiu 11% entre 2005 e 2012, segundo o Banco Mundial.

2010: UM TERREMOTO DEVASTADOR

Em 12 de janeiro de 2010, às 16h53, um terremoto de magnitude 7 na escala de agitação do momento (mW) devastou a capital Port-au-Prince e sua região.

O número de mortos chegou a cerca de 250.000, além de 300.000 feridos e 1,5 milhão de desabrigados.

O país se viu em ruínas, com seus 42 edifícios públicos destruídos, incluindo o palácio presidencial e a catedral de Port-au-Prince.

Na esteira do desastre, milhares de milhões de dólares de ajuda internacional foram prometidos, mas grande parte deste dinheiro nunca chegou e os esforços do Haiti para se recuperar foram atrasados pela instabilidade política crônica.

Segundo a Anistia Internacional, 85.432 pessoas permaneceram sem-teto cinco anos após o terremoto, e cerca de 25 mil famílias vivem em condições precárias.

INSEGURANÇA

Duas pessoas morreram na violência que marcou o dia anterior à eleição de 9 de agosto. Ao longo das últimas três semanas, cinco agentes da Polícia Nacional do Haiti (PNH) foram mortos na área metropolitana de Port-au-Prince.

Dado este clima de insegurança, 10.000 policiais estarão mobilizados em território haitiano no domingo.

Eles serão apoiados por todos os contingentes da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH), o que representa 2.601 policiais da ONU e 2.370 soldados da paz.

Em razão da violência, a comunidade internacional decidiu reforçar as suas equipes de observadores.

A União Europeia nomeou 74 observadores que estarão presentes domingo ao longo dos dez departamentos do país.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) terá 125 observadores no terreno em 25 de outubro (contra apenas 28 em 9 de agosto).

Quinze organizações da sociedade civil haitiana também foram autorizadas pelo Conselho Eleitoral Provisório para implantar os seus observadores nas mesas de voto.

* AFP

 Veja também
 
 Comente essa história