Corte Europeia nega recurso e mantém extradição de Pizzolato Antonio Cruz/Agência Brasil

Pizzolato fugiu para a Itália em 2013 usando documentos do irmão morto

Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

A Corte Europeia de Direitos Humanos, na França, negou o recurso apresentado pela defesa de Henrique Pizzolato para que a extradição do condenado no processo do mensalão fosse suspensa. Este era o último recurso de Pizzolato. A informação foi dada por seu advogado Alessandro Sivelli. O ex-diretor de marketing do Banco do Brasil será devolvido ao Brasil na quarta-feira. Ele parte de Milão, em voo comercial da TAM.

Três agentes da Polícia Federal, acompanhados de uma enfermeira, chegaram em Milão na segunda-feira para organizar toda a parte burocrática da entrega. Sivelli enviou uma carta a jornalistas onde cita as condições das prisões brasileiras, lembrando que a Corte de Apelação de Bolonha havia negado a extradição justamente por causa "das notícias provenientes de órgãos internacionais que indicavam como dramática e endêmica a situação carcerária brasileira".

Pizzolato será extraditado para o Brasil semana que vem, confirma procurador
Senadores italianos pedirão que ministro revogue extradição de Pizzolato

O advogado ainda lembra que o próprio ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse "preferir morrer, ao ser preso num cárcere brasileiro". Sivelli também retoma o argumento usado por Pizzolato, de que foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em única instância e que não teria tido direito a ampla defesa.

Sivelli aponta o dedo ao ministro da Justiça italiano, Andrea Orlando.

"Apesar de (o ministro) ser consciente sobre as condições das prisões brasileiras, ele concedeu a extradição, desse modo também impedindo que Henrique Pizzolato tivesse direito a defesa no processo penal que o vê imputado na Itália e cuja audiência estava marcada para o dia 14 de dezembro".

Autoridades brasileiras estão prontas para receber Pizzolato, diz Justiça
Pizzolato faz greve de fome em penitenciária na Itália

Ele cita também que o Ministério da Justiça italiano em 2001 negou o pedido de extradição ao Brasil de um cidadão que havia cometido os mesmos crimes pelos quais foi condenado Pizzolato por falta reciprocidade.

O advogado termina a carta perguntando "qual será a verdadeira razão para que o governo italiano pise nos direitos de Henrique Pizzolato, cidadão italiano que esperava obter na Itália a justiça que no Brasil lhe fora negada".

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história