Defesa Civil de Itajaí considera risco de enchente Agência RBS/0

Foto: Agência RBS / 0

Itajaí vive o risco de uma nova enchente nesta quinta-feira. A elevação rápida do Rio Itajaí-Mirim, em Brusque, e a dificuldade de escoamento causada por uma maré mais alta do que o esperado, colocaram em alerta a Defesa Civil e provocaram uma mobilização de órgãos públicos na tentativa de minimizar prejuízos. Equipes foram reforçadas nas ruas e um abrigo foi aberto para receber os primeiros desabrigados na paróquia São Cristóvão, no Bairro Cordeiros.

_ Por enquanto, nenhuma possibilidade é descartada. Nem de enchente _ diz o coordenador da Defesa Civil de Itajaí, Everlei Pereira, que coordenou uma reunião com os titulares das principais pastas da prefeitura para traçar estratégias nesta quinta.

No fim da manhã já havia pontos de alagamentos em algumas das áreas mais baixas da cidade, e a previsão é que a situação piore no decorrer do dia. Chuvas intensas em Vidal Ramos e Botuverá, onde ficam as nascentes do Itajaí-Mirim, elevaram o rio em Brusque, que deve atingir entre 8 e 9 metros por volta das 15h nesta tarde. Seis horas depois, o reflexo será sentido em Itajaí.

A Defesa Civil colocou 102 ruas da cidade, mais vulneráveis a alagamentos, em estado de alerta. Os moradores foram avisados sobre o risco, o que fez muita gente deixar o trabalho e voltar para casa nesta quinta. Agentes da Codetran foram deslocados para o monitoramento dessas áreas e, ainda pela manhã, interditaram a ponte que fica próxima ao Motel 1001, na Avenida Contorno Sul.

Agentes de Defesa Civil concentram-se nas áreas que correm risco de deslizamentos, em todas as encostas da cidade. Há em Itajaí 1300 imóveis com classificação de risco _ 61 deles com perigo muito alto e outros 600 com a possibilidade de deslizamento considerada alta. Durante a tarde fiscais das secretarias de Urbanismo e da Fundação do Meio Ambiente (Famai) vão reforçar as vistorias nesses locais.

Itajaí-açu

Paralelo ao risco causado pela cheia do Itajaí-Mirim, há ainda a expectativa pelo escoamento do Itajaí-açu, que deve alcançar os 8,3 metros em Blumenau às 15h. O volume leva 12 horas para chegar a Itajaí. Na manhã desta quinta, a velocidade da correnteza ultrapassou três nós na foz – o equivale a 6 km/h _, o que provocou novo fechamento do canal de acesso aos portos de Itajaí e Navegantes, por determinação da Marinha.

De acordo com a tabela de escalas publicada no site da superintendência do Porto de Itajaí, há no momento três navios atracados nos terminais locais e dois ao largo, esperando para entrar. Havia previsão de chegada de outras quatro embarcações no decorrer do dia.

Confira a situação nas demais cidades da região:

Balneário Camboriú: A Defesa Civil registrou alagamentos durante a madrugada. Também ocorreram deslizamentos de terra pontuais na Barra Sul, Barra Norte, na rodovia Interpraias e no bairro Ariribá.

Camboriú: Ruas do bairro Monte Alegre amanheceram com alagamentos nesta quinta-feira. Segundo a Defesa Civil, a água baixou no meio da manhã.

Itapema: Segundo a Defesa Civil do município, há ruas alagadas na região próxima ao rio da Fita. A ponte da estação de tratamento do município está parcialmente danificada e foram registrados pequenos deslizamentos no canto da praia. Uma casa foi atingida, mas não há danos materiais.

Em Penha e Navegantes, a Defesa Civil permanece em alerta e não há ocorrências relacionadas à chuva.
O SOL DIÁRIO
 Veja também
 
 Comente essa história