Deputados de PSDB, PDT e PR assinam nova lista para investigar Cunha DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Foto: DIDA SAMPAIO / ESTADÃO CONTEÚDO

Mesmo após entrarem com representação no Conselho de Ética contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), PSOL e Rede continuam colhendo assinaturas de deputados a favor da investigação do peemedebista por quebra de decoro parlamentar.

Segundo o líder do PSOL na Casa, Chico Alencar (RJ), uma nova lista contava com 53 assinaturas no início da noite desta quarta-feira, 14, com apoio de 10 partidos, entre eles PSDB, PDT e PR, siglas que não tinham assinado o documento de terça. Como não tem valor sobre a representação já apresentada, o objetivo do grupo é gerar pressão política.

Marta Sfredo: consórcio conclui obra no cais antes do alagamento
Rosane de Oliveira: renúncia não é saída honrosa para Cunha

"Queremos dar peso político à representação com essas assinaturas", afirmou Alencar à reportagem. De acordo com o deputado, a lista conta com apoio de deputados como Max Filho (PSDB-ES), Sérgio Vidigal (PDT-ES) e Clarissa Garotinho (PR-RJ), filha do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho (PR), gestão durante a qual Cunha presidiu a Companhia Estadual de Habitação (Cehab) do Rio de Janeiro. Os outros sete partidos (PT, PSOL, Rede, PPS, PSB, PROS e PMDB) já tinham assinado a representação protocolada ontem, que teve 46 apoiamentos.

Nas redes sociais, internautas cobram Cunha por contas na Suíça
Propinas investigadas pela Lava-Jato chegam a R$ 10 bilhões, diz procurador

O líder do PSOL informou também que o grupo de parlamentares que está a frente do pedido de investigação do presidente da Câmara deve se reunir nesta quinta-feira para "combinar" formas de mobilização social e de pressão na Casa, a favor da cassação de Cunha.

A ideia, de acordo com Alencar, é promover atos por todo o Brasil e na Câmara contra o peemedebista. "é a primeira vez que um presidente da Câmara tem um processo aberto no Conselho de êtica com denúncias graves como essa", destacou o parlamentar.

Dilma se reúne com empresários brasileiros na Colômbia
Um ano após fazer delação, Costa deixa regime de prisão domiciliar

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história