Dólar fecha a sexta-feira a R$ 3,75, menor valor desde setembro Jefferson Botega/Agencia RBS

Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

O dólar fechou em queda de 0,9% nesta sexta-feira, cotado a R$ 3,7588. O resultado representa a segunda baixa seguida e é o menor valor de fechamento desde 1º de setembro, quando a moeda americana encerrou o dia em R$ 3,688. Com o pregão desta sexta-feira, acumulou recuo de 4,74% na semana.

Na véspera, o dólar encerrou o dia a R$ 3,7931, com queda de 2,17%. Apesar das baixas, os investidores permaneceram atentos às incertezas do atual momento político do país.

Saída de dólares do país supera entradas em US$ 111 milhões em setembro

A cotação da moeda americana caiu em todo o planeta após a divulgação da ata da reunião do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano). No documento, integrantes do órgão informaram ser necessário esperar os efeitos da desaceleração da China sobre a economia norte-americana antes de tomar alguma decisão quanto aos juros básicos dos Estados Unidos — atualmente no nível mais baixo da história, entre 0% e 0,25% ao ano.

Membro do Fed acredita em aumento de juros em outubro ou dezembro nos Estados Unidos

A possibilidade de que o Fed adie o aumento de juros da maior economia do planeta desestimula a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil, para títulos do Tesouro norte-americano, considerados o investimento mais seguro. Os juros mais altos nos países emergentes ajudam a atrair capital financeiro, empurrando para baixo a cotação do dólar.

Marta Sfredo: dólar e bolsa indicam trégua, não melhora

Veja a cotação nesta sexta-feira:

— 9h09min - R$ 3,7600

— 10h - R$ 3,7397

— 11h - R$ 3,7611

— 12h - R$ 3,7278

— 13h - R$ 3,7351

— 14h - R$ 3,7577

— 15h - R$ 3,7498

— 16h - R$ 3,7508

— 17h - R$ 3,7588

Bolsa de Valores

A Bovespa apresentou a nona alta seguida nesta sexta-feira. No mês, a bolsa apresenta avanço de 9,4%. Apesar disso, acumula recuo de 1,33% no ano.

Nesta sexta-feira, o índice Ibovespa encerrou o dia com avanço de 0,47%, a 49.338 pontos.

Leia as últimas notícias de Economia 

*Zero Hora com agências

 Veja também
 
 Comente essa história