Em decisão unânime, TCU recomenda rejeição das contas de Dilma Rousseff Lula Marques/Agência PT

Foto: Lula Marques / Agência PT

O Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou nesta quarta-feira, por unanimidade, a rejeição das contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff. A decisão dos ministros já era esperada e pode dar fôlego à oposição para tentar abrir um processo de impeachment no Congresso.

Veja como foi o julgamento das contas no TCU

O relator do processo, ministro Augusto Nardes, encontrou 12 irregularidades que o governo teria praticado em 2014, contrariando a Constituição, a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Lei Orçamentária (veja no fim da matéria quais são).

— Os procedimentos adotados afrontaram de forma significativa a Lei de Responsabilidade Fiscal, caracterizando uma desgovernança fiscal. Foi criada uma situação incompatível com a realidade — afirmou Nardes.

— As nações fracassam quando a as instituições deixam de cumprir sua missão. Cumprimos a nossa — concluiu o relator.

Em infográfico, entenda o que são as pedaladas fiscais do governo Dilma



TCU manteve Nardes na relatoria do processo

Contra a vontade do governo, os ministros decidiram, também por unanimidade, manter o ministro Augusto Nardes na relatoria do processo que julga as contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff. O governo pedia que o relator fosse afastado porque teria antecipado o voto ao emitir opinião sobre o caso em entrevistas.

O relator da solicitação, ministro Raimundo Carreiro, sustentou que não há procedência nas alegações do governo. Segundo ele, Nardes não antecipou votos, apenas reproduziu avaliações já feitas anteriormente pelo tribunal.

Dilma vê "luz no fim do túnel", mas espera "compromisso" do Congresso

— Nada, absolutamente nada, há nas declarações do ministro Nardes que configura alguma novidade ou juízo de valor — declarou.

Durante a análise preliminar de suspeição, Nardes se retirou do plenário. Com a decisão, ele retornou à sala, onde foi aplaudido antes de fazer a leitura do relatório.

O que são as pedaladas fiscais

As pedaladas fiscais consistem em atrasos reiterados no repasse de recursos do Tesouro Nacional aos bancos públicos, ocorridos principalmente em 2013 e 2014, para o custeio de programas sociais. A prática, considerada ilegal pelo TCU, permitiu que o governo Dilma inflasse artificialmente seus resultados e melhorasse o superávit primário em determinados períodos.

O relatório da área técnica do TCU sobre o caso, que embasou os votos dos ministros do Tribunal na análise das contas de 2014 de Dilma, considerou as pedaladas um procedimento irregular.

As irregularidades

— Não contabilização de dívidas do governo com Banco do Brasil, BNDES e FGTS (R$ 40,2 bilhões acumulados até 2014): descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF (art. 1);

— Adiantamento da Caixa para pagar Bolsa Família, seguro-desemprego e abono salarial (R$ 7 bilhões em 2014): descumprimento da LRF (art. 1, 32, 36 e 38);

— Adiantamentos dados pelo FGTS à União para cobertura de despesas no Minha Casa Minha Vida (R$ 1,4 bilhão): descumprimento da LRF (art. 32);

— Adiantamentos concedidos pelo BNDES à União para cobertura de despesas no âmbito do Programa de Sustentação do Investimento (PSI): descumprimento da LRF (art. 1, 32, 36);

— Pagamento de dívida contratual junto ao FGTS do Minha Casa Minha Vida sem autorização do orçamento: descumprimento da LRF (art. 1, 3, 5 e 32) e da Constituição (art. 167);

— Uso de recursos além do aprovado no orçamento por estatais ligadas a Petrobras, Telebras e Eletrobras: inobservância da Constituição (art. 167);

— Ausência de contingenciamento de despesas discricionárias da União de pelo menos R$ 28,54 bilhões, quando já se sabia que não haveria dinheiro para gastar: descumprimento da LRF (art. 1 e 9);

— Existência de distorções no Plano Plurianual 2012-­2015, tornando-­o sem confiabilidade: descumprimento da Constituição (art. 37);

— Condicionamento de aumento de gastos públicos à aprovação de lei no parlamento que mudava meta de superávit: inobservância da Constituição (art. 37), da LRF (art. 1) e da Lei Orçamentária (Art. 118);

— Inscrição irregular em Restos a Pagar (dívida de curto prazo) de R$ 1,367 bilhão referente a despesas do Minha Casa Minha Vida no exercício de 2014: descumprimento da Constituição (art.37), da LRF (art. 1) e da Lei que regula os orçamentos (art. 36, 35 e 67);

— Omissão de transações deficitárias da União junto ao Banco do Brasil, ao BNDES e ao FGTS nas estatísticas dos resultados fiscais de 2014: descumprimento da LRF (art. 1) e da Constituição (art. 37);

*Zero Hora, com agências

 Veja também
 
 Comente essa história