Em jantar com Dilma, Lula avalia que Levy tem "prazo de validade" Tânia Rêgo/Agência Brasil

O ministro da Fazenda Joaquim Levy

Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

Em jantar com a presidente Dilma Rousseff na noite desta quinta-feira, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu mudanças na política econômica para sair da crise, defendeu o afrouxamento do ajuste fiscal e voltou a dizer que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tem "prazo de validade".

Levy e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, são alvos constantes do ex-presidente. O Diretório Nacional do PT vai se reunir no próximo dia 29, em Brasília, e cobrará, mais uma vez, a substituição do ministro da Fazenda, além de um "novo eixo" para a política econômica, com crescimento e distribuição de renda.

Delatores afirmam que amigo de Lula acertou propina de US$ 5 milhões
Lobista afirma ter feito pagamento de R$ 2 milhões a uma nora de Lula

Na avaliação Lula, não adianta o PT brigar para derrubar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), se o governo não arrumar sua base parlamentar de apoio no Congresso e promover mudanças na economia.

Nos últimos dias, o Palácio do Planalto e Lula promoveram negociações de bastidores para tentar salvar o mandato de Cunha no Conselho de Ética da Câmara. Em troca, queriam que o presidente da Câmara barrasse a abertura do processo de impeachment contra Dilma. Diante do agravamento das denúncias que pesam sobre Cunha, porém, a situação do deputado está sendo considerada "insustentável" pelo Planalto e por petistas.

Na noite de quinta-feira, o ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de inquérito para investigar Cunha, suspeito de desviar recursos da Petrobras para contas secretas mantidas por ele e seus familiares na Suíça.

Lula, FHC e Collor são investigados por suspeita de levar objetos do Planalto
Em depoimento voluntário, Lula nega tráfico de influência em favor da Odebrecht

As articulações para livrar Cunha da cassação abriram uma guerra entre as correntes do PT e, após o vazamento da notícia, o Instituto Lula divulgou nota para desmentir que o ex-presidente tenha feito articulações para proteger o deputado no Conselho de Ética.

Pesou para a revolta de grupos do PT, ainda, o fato de Cunha ter sugerido a emissários de Dilma a demissão de Cardozo. Em público, o presidente da Câmara nega essa exigência. Lula e integrantes da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), majoritária no PT, também avaliam que Cardozo não controla a Polícia Federal e deveria deixar o cargo. Para eles, a Operação Lava-Jato não pode se transformar na agenda do País.

Cardozo disse ao jornal O Estado de S. Paulo que Cunha "deve ter as suas razões" quando pede a saída dele da pasta.

Levy seria novo alvo de Lula no troca-troca de ministros
Leia as últimas notícias

— Muitas pessoas têm ficado desgostosas com a minha postura de garantir a autonomia das investigações da Polícia Federal e de só atuar em caso de evidências de abusos e ilegalidades — afirmou Cardozo.

— Se é verdade que o presidente da Câmara quer a minha saída, deve ter as suas razões. Cabe a ele explicitá-las — afirmou.

*Estadão Conteúdo

 Veja também
 
 Comente essa história